terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Feliz ano novo, gente!

[Observação: esta é a última pauta de 2009. Portanto, merece uma atenção a mais e ela vai ficar monstruosamente grande! Leiam pelo menos uma parte, algo irá lhes interessar, ok?]


- Retrospectiva


O ano de 2009 certamente ficará no história - ou pelo menos na minha.
Comecei janeiro apostando todas as minhas fichas em meu antigo blog, o ideiasemacento.zip.net . Pois bem. Fracassei em minha segunda tentativa de entrada no Tudo de Blog e não aguentei. Deletei meu quarto blog.
Enquanto isso, eu me preparava para meu segundo ano do ensino médio. Confesso que pela primeira vez senti medo de retornar à escola. Ainda continuava loucamente apaixonado pela Isadora, e voltar a vê-la só me traria mais dor. Então, dia 09 de fevereiro, recomeçou o período letivo. Nunca me compliquei tanto nas aulas de química. Primeira nota vermelha na vida - na pior discuplina, geografia. E mais Isadora. Ainda mais que a febre Crepúsculo estourou e eu tinha todos os livros que ela não tinha. Trocamos mais informações do que um computador com a internet. E meu coração amargava o peso daquela amizade entre nós que só crescia a cada dia. E foi nesse complexo de solidão e carência que em 17 de julho criei meu quinto blog, o aopiniaoformada.blogspot.com. Aos poucos , ele foi caindo na graça do público e percebi que havia algo de errado com ele. Layout? Fontes? Cores? Não. Eu simplesmente não conseguia falar o nome do meu próprio blog! Então, resolvi mudar e, após dias de pesquisa e um acaso muito grande do destino - valeu, aí, Professor Aroldo, de história por ter me mandado fazer a pesquisa! - , encontrei o termo pseudociência num livro. Pronto, eu me apaixonei pelo nome! E foi o meu maior acerto em termos de blog!
Falando em acertos, fiz uma prova de física, aparentemente normal. E tirei a nota máxima, como todo santo nerd. Até aí, tudo bem. Se não fosse pelo fato de que a prova valia minha presença na disputa ao cargo de vereador jovem da minha escola! Poderia fazer história, sendo o primeiro! Mas aí, seguiram-se os dias de campanha política. Um saco. Já no dia da eleição, descobri que essa parada de política não era para mim. Dito e feito: não ganhei a eleição. Mas ganhei uma coisa: fiquei bem mais popular do que o vencedor, que comprou votos de todos e na maior cara de pau! Todo mundo soube. Eu fui honesto, pacífico e simples. Não precisei de trapaças para ganhar o que queria, então tá relax.

Após um ano de troca de cartas com meus melhores amigos gêmeos Mateus e Flávio, eles partiram para a Guiana Francesa. E eu arrumei logo um jeito de conseguir duas correspondentes. Caíram da Atrevida as minhas novas correspondentes, a Gwen e a Lays . Lindas, legais e autênticas. Curti cada palavra dita por elas. Muito obrigado, girls, por terem feito meus dias tediantes se encherem de luz com seus rabiscos de caneta.

Mas de alegria mesmo encheram meu coração as crianças do Centro de Formação Infantil Pequenos Gênios, local onde comecei a trabalhar. A energia destes seres lindos me contagiou. Meus pequenos, por terem feito minhas manhãs mais alegres, agradeço imensamente.

Em 18 de maio, nossa família silenciou. Perdemos o meu avô, Raymundo. Deuxou saudades, lembranças e mais lembranças. Vô, eu te amo, esteja onde você estiver!

E retornando ao campo amoroso, tive duas grandes surpresas: a primeira foi ter esquecido a Isadora mais rápido do que pensei, depois de um ano e quatro meses de espera. A segunda foi ter me apaixonado, logo em seguida, por TM. Assustei-me com o que meu coração revelava, mas já não podia fazer mais nada. E por mais que eu leve o fora mais horrível do mundo, continuarei na esperança. TM não será definitivo em sua palavra, sinto isso. E esperarei pelo seu veredicto final. Valeu T., por ter me feito perceber que a vida tem mesmo seus dois lados. Seja lá quais forem eles.
E numa breve abordagem, não poderia deixar de citar minha namorada por uma semana, a Samara. Agradeço, Sam, por ter colorido melhor meus dias - e por ter desenferrujado minha boca. (Rs.)


E como eu jamais deixaria de citar, meus amigos, que fizeram tudo o que podiam para me ver felizes, de segunda à sexta, das 13:30 às 17:55 : Bárbara, minha loira mais cheirosa de todas e a que mais confiou em mim neste ano; Suellen, a dalmacinha das pernas grossas e a superinconstante que dá medo; Ana Carla, minha garotinha do bumbum empinadinho e a primeira a me chamar de gostoso;  Mayara, minha companheira inestimável de caminhada; Renata, a miss perfeição - com certeza, ela é mesmo - , e a que usa Humor 5, da Natura , uma de minhas essências favoritas; Isadora, Camila e Kássio, o trio que sempre tinha conversa com o qual me associei e não me arrependi; Talita, a garota dos problemas intermináveis e a que me via como o psicólogo 24 horas de plantão, cujo namorado quase arruinou nossa amizade; Mariane, a que sempre me faz rir com suas piadas totalmente improvisadas; Adriely, a menina das causas impossíveis - e cômicas; e , fugindo à regra porque ela estuda de manhã, a Olívia, grande amiga que sempre pude contar em meus momentos tempestuosos. À todos vocês, o meu muito obrigado, por tudo!
- E desculpem a quem não me referi. Só consegui lembrar dos mais especiais.
E aqui, ainda falando de amizade, quero destacar uma pessoa muito especial: minha melhor amiga por acaso. Conheci a Brenda por intermédio do orkut. Pedi MSN e, após horas de conversa, nos tornamos grandes amigos. Ou melhor dizendo, melhores amigos. Brenda Medeiros, minha confidente mais linda e cheia de graça e que foi a primeira a ouvir meus causos sobre TM, o meu muito obrigado. Sei que não é fácil ficar escutando as baboseiras de um adolescente de quinze anos, mas você é capaz. Eu te amo, Brenda!
E aos meus melhores amigos, como todo homem tem, Jhonatan Ribeiro e Júnior Mendes, meu muitíssimo obrigado por toda a atenção dada a mim quando mais necessitei - e pelas ligações, e pelas mensagens de texto...


Voltando à cena retrô, vamos aos fatos que ainda tem muito texto pela frente!


#respirafundo: Um, dois, três.
Iniciei meu curso de francês, li toda a série Crepúsculo, ganhei meu primeiro selo de qualidade do blog e outros tantos demonstrando carinho, sorri e chorei muito, por diversos motivos, já que tenho uma certa propensão a lágrimas, tingi o cabelo pela primeira vez, aprendi a mexer em HTML, dei uma de psicológo o ano inteiro com a Laura, me revelei uma pessoa pública na escola, uma vez que nem a faxineira já tinha visto a minha cara e, com todo esse surto de doenças, fui acamado mais vezes do que o normal. Ganhei péssimos livros, mas outros muito bons também, conheci uma galera muito louca que anima minhas entradas no orkut e no MSN, pela primeira vez consegui chorar com uma cena de novela, e nunca me prendi tanto à uma temporada de Malhação; de longe é a melhor temporada dos últimos tempos. E a galera é super pra se identificar! Eu me identifico muito com o Alê, personagem do William Barbier. O cara é demais! Recomendo, vale a pena.

E para fechar esta primeira parte da última pauta do ano, vamos às blogueiras que fizeram minha existência na blogosfera se fazer verdade - e as que simplesmente me cativam por inteiro: Tay , você sempre será a blogueira mais top de linha de todas! Fashion, diva, única e esplendorosamente carismática. Obrigado Tay, por ter me permitido participar de seu trabalho mais importante da faculdade, o TCC. Você é uma das pérolas mais raras do Tudo de Blog, se não é a mais rara. E agradeço todos os dias à Deus por ter lhe colocado em minha vida. E por ter me escutado tantas vezes no MSN, agradeço, cara Tayane.
Erica, minha ilustríssima amiga, como eu te admiro! E te agradeço mesmo por todo o carinho dedicado ao meu blog. Valeu mesmo, Erica. Minha popularidade bloguística deve-se nada mais nada menos a você, que passou a comentar meus textos e despertou a curiosidade do público, já que um comentário seu é um presente. Brigadão, lindona! Só vai dar a gente no Tudo de Blog 2010!

E às belas Jade, Jeniffer, Lays Caroline e àos ilustres Joabe, Ruan e Rodrigo, muito obrigado por comentarem sempre que podem! Vocês simplesmente fazem meus dias mais felizes com cada palavra escrita. Agradeço a atenção com meu blog e continuem comentando e me alegrando cada dia mais!


E é nesse ritmo blogórico (!) que eu me despeço da primeira parte da última pauta do ano.


[Agora as coisas seguirão mais rápido. Prometo! Rs.]

---


- Resoluções de Ano Novo

Não há como escapar das famosas listinhas com os desejos para o próximo ano. E eu não sou exceção. Aqui está a minha, resumida ao máximo, com meus quinze objetivos ( ou vontades, ou desejos, como queiram compreender ) para 2010:

1- Passar no vestibular da UNIFAP ( Universidade Federal do Amapá ) para Letras ou no da UEAP ( Universidade Estadual do Amapá ) para Tecnologia em Design;
2- Manter, enfim, este blog até o fim dos tempos - #exagerado ;
3- Entrar para o Tudo de Blog 2010 após duas tentativas frustradas e ser publicado junto com a Tayane Scott e com a Vanessa Bittencourt - que por sinal é uma ótima blogueira e muito carinhosa ;
4- Juntar dinheiro e dar a tão sonhada entrada em meu notebook, porque não aguento mais as lan houses - e a dependência da sorte;
5- Conhecer alguém famoso;
6- Iniciar minhas aulas de canto e piano - vai que eu estouro que nem uma modinha e viro capa da Capricho?
7- Viajar! Porque eu nunca saí do Amapá e quero muito dar uns loops por aí;
8- Parar de reclamar tanto da vida;
9- Namorar sério e não fraquejar;
10- Não perder por nada desse mundo a estreia de Eclipse;
11- Comprar toda a série de Gossip Girl e sua derivada, Garota Problema;
12- Levar uma vida mais simples, já que eu por natureza sou um furacão;
13- Assistir pela centésima vez todas as temporadas de One Three Hill e, enfim, ver GG e The Vampire Diaries na TV;
14- Completar mais um ano de vida e
15- Multiplicar por 2010 todas as boas sensações e emoções vividas em 2009!






---

- E até 2010, queridos leitores!


Meus queridíssimos espectadores, nada disso aqui seria válido se não houvesse a honrosa presença de vocês. E nada mais verdadeiro do que eu desejar meus sinceros votos de feliz ano novo!
Que vocês sejam iluminados com a graça do sucesso em tudo que tentarem; que todos os seus problemas sejam solucionados de forma rápida e simples; que todos os sentimentos bons do mundo venham de encontro à vocês. Que seus próximos doze meses sejam repletos de paz, amor e muita, mas muita felicidade!

E não deixem de visitar o A Pseudociência, hein? Rs.



Tudo de bom em 2010!




Beijos, abraços e um feliz ano novo à todos!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Novo ano, nova década, novas (e velhas) esperanças

Por um instante, parei para refletir.

Um ano novo só já é sinônimo de renovação, novos anseios, mudanças e objetivos. Seremos sempre reféns da nobre arte da transformação. Agora multiplique por dez esta transformação, mais os novos objetivos e anseios, mais as mudanças e a renovação e perceba que o produto equivale a sonhos, sonhos e mais sonhos, que cedo ou tarde se tornarão realidade.
Todo final de ano, apesar de não termos cumprido nossa parte de verdade, no momento da contagem regressiva nossos desejos e vontades cedem lugar à sensação indescritível de se sentir purificado. Limpo. Exatamente como o papel se sente ao movimento da borracha para apagar os erros do lápis. Seria muito bom se essa mesma sensação permanecesse no coração de cada um de nós nos 365 dias seguintes. Esperamos sempre o melhor e nunca sabemos de onde ele virá. A atitude parte de nós mesmos caros amigos. Eu, por exemplo, farei com que meu turbulento ano de vestibular seja convertido em dias mais simples, sem estresse, sem correria. Espero meu 2010 seja melhor do que 2009. Que não hajam mais tantas desavenças entre as pessoas; que a violência seja finalmente transformada em paz; que cesse de vez a corrupção no Brasil e que, principalmente, o homem cuide mais da natureza que já fez tanto por ele e que não merece o que está recebendo em troca. Sinto medo da vingança que ela trama visivelmente à nossa frente. Se tudo continuar do jeito que está, não haverá decada para ser lembrada.
Esta década, que se iniciará na meia-noite de sexta-feira, será marcante em minha vida. Será minha passagem para a vida adulta. Enfim compreenderei o que se passa na mente de meus pais, de meus tios e conhecidos mais velhos. Saberei o que fazer, agirei de acordo com meu instito maduro. Morarei talvez sozinho, com meu cão de estimação ou meu gato cinzento. Seja o que for acontecer nesses próximos 10 anos, uma coisa eu sempre guardarei de minha inesquecível adolescência: o poder de ' esperançar '. Continuarei a perseverar, firme e forte em meus objetivos e jamais deixarei de acreditar neles. Será assim que verei o Brasil brilhar nas olimpíadas, no pan, na copa; assim que verei o diploma suado de meu curso de design em minhas mãos; assim que verei o planeta desacelerar seu processo de autodestruição; assim que verei as outras milhares de modinhas surgindo, conquistando legiões de fãs no mundo inteiro. Não irei parar de acreditarque, se eu não perder as esperanças, serei capaz de sobreviver a mais uma década. E de iniciar outro ciclo.




Pauta para o Blorkutando -  66º Semana :  Ano novo só não; década também. 


*** 


Gente, daqui para quarta-feira posto a última pauta de 2009, que será gigante! Esperem, e vejam!
Por hoje é só.

Beijos , abraços e até a próxima! 

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Faz o que quer, ganha o que não quer!




- Abre, abre! - todos gritavam em coro.


Eu estava com receio de abrir, pois rceber um embrulho meio dark, meio punk me deixou intrigado. Mesmo assim, resolvi abrir. E não me arrependi. Era uma camisa linda, branquíssima, com o símbolo da paz na frente e a frase " a paz do mundo começa em você " atrás. Linda mesmo. Agradeci ao Saulo Roston (!) que me repassou a batata quente. Estremeci. Meu amigo secreto era a pior pessoa que eu poderia ter tirado. Droga. Eu teria que ser eu mesmo e não tive pena ao escolher o presente. E eu tinha a mais plena certeza de que alguém iria sair insatisfeito nessa história...
Olhei ao redor. Todos os cantores-revelação deste ano fixaram os rostos em mim, ansiosos pelas minhas palavras. Sorri de leve, para espantar todo e qualquer nervosismo que pudesse vir ao meu encontro. Luan Santana me encorajou:


- Vai, cara! Fala! Tá todo mundo curioso!


Caminhei lentamente à mesa onde se encontrava meu presente, que estava numa caixa linda, branca e com um laço preto e vermelho caprichoso no topo. Eu ainda não acreditava que tinha que 'presentear' aquela pessoa. Porque eu não tirei a Emanuelle Araújo, que é minha amiga mesmo?! Ou a Sandy, que é menos insuportável?!


- Pronto? - apressou novamente o Luan.


Glup.
Peguei minha caixa e retornei ao lugar que era meu no círculo dos cantores. Meu amigo não demonstrava o menor entusiasmo a respeito do presente, o que me deixou mais nervoso quanto à sua reação.
Ah, como eu me sentia arrependido de ter me tornado um cantor famoso!


Quebrando o gelo de vez, após alguns segundos de reflexão, reuni coragem e falei, decidido:


- Bem, pra começar, a pessoa que eu tirei não é, não foi e nem será minha amiga. Não sinto a menor empatia por ela, não suporto seu jeito e, sim, minha amiga secreta é você, Stefhanny - concluí, aliviado e radiante.

Sua demonstração de espanto me lembrou um corvo após ter sido atingido por um tiro. Seu vestido justo e curto não combinava nem um pouco com a cor de seus sapatos e muito menos com os brincos escandalosamente feios que ela portava. Eu refleti rápido, pois se nem o Esquadrão da Moda deu resultado nela, eu nao teria a menor chance.

Stefhanny veio ao meu encontro, sorrindo, mas não conseguindo disfarçar seu descontentamento comigo. Ela disse um 'obrigada' alto para todos ouvirem, encostou-se em meus ouvidos e sussurrou:


- " Eu sou linda. E absoluta, meu querido. "


E retornou ao seu lugar, aos gritos de todos:


- Abre, abre!


Ela, avidamente curiosa, desfez o laço cuidadosamente e retirou a tampa.
Stefhanny me fuzilou com os olhos.
Dentro da caixa haviam dois perfumes, um era Pierre Legrand, meu favorito; um vestido branco, longo e com a borda tricotada; e dois cartões. O primeiro dizia:

" Tive o prazer de escolher cada peça que não tivesse absolutamente nada a ver com você para sentir a dupla emoção de te ver furiosa. Um abraço, Ramon Alencar. "



E o segundo, mais caprichoso, falava o seguinte:


" Ah, e eu me vi na obrigação honrosa de lhe matricular em um curso de canto. Fique à vontade para conferir o lugar; é maravilhoso. Segue em anexo o endereço. "

Stefhanny estava com os olhos em fúria. Todos olhavam para ela, esperando uma resposta. A reação dela, para mim, foi previsível: ela tirou bruscamente o frasco de Pierre Legrand da caixa e atirou em mim, sem pensar duas vezes.
Ela realmente me odiava da mesma forma que eu a detestava. Legal.
No instante em que o vidro tocou minha pele, eu senti um puxão forte em meu pé e um grito, bem conhecido:


- Acorda, filho! Tá na hora de ir comprar seu presente de amigo secreto!






Pauta para o Blorkutando - 65º Semana: Inimigo secreto.





***




Este texto foi a deixa para eu enfim desejar à todos vocês, leitores ou não-leitores, visitantes ou não, meus votos mais sinceros de Feliz Natal e que a esperança de vocês se renove no momento em que o relógio soar às meia-noite de 25 de dezembro. Tudo de bom para vocês!
Eu decididamente amo o natal, mais do que qualquer outra data no ano. Adoro a sensação de que tudo vai mudar com a chegada de Jesus. Acredito que um dia, quem sabe, todos nós nos juntaremos para prosperar pela paz no mundo e pela comunhão entre os povos. 
- #INCORPORANDOOPADRE :D


E por hoje é só. Ah, explico logo minha ausência daqui até domingo: será muito, muito desgastante mesmo essa maratona de compras-arrumação-cozinha-e-blá-blá-blá e eu, provavelmente, só me recuperarei no domingo, quando toda essa correria ( e a ressaca ;D ) também.


Beijos, abraços, um feliz natal novamente à todos e um viva para Jesus !

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sem cabimento.

Sem fotos nem nada de caprichos, estou revoltado. Não vejo a menor necessidade de uma das redes mais prestigiadas do Brasil realizar uma reportagem sobre pulseirinhas que, como reza a lenda, induzem ao sexo. A não ser que pessoas facilmente manipuláveis se deixem levar pela ideia que elas supostamente passaram a repassar. Já usei montes delas e não me lembro de ninguém ter me dito que eu deveria transar porque as portava. Nunca! E digo mais, é ridículo o modo como as pessoas agem depois de saberem das coisas. Uma amiga quis dar todas as 21 (!) pulseiras dela , só por causa do significado que a mídia impôs à elas. Não sejamos ingênuos e nos deixemos levar por bobagens, gente! Creio que temos mente o suficiente para distinguir um boato de algo verdadeiro. Sexo é coisa séria. E não será uma simples pulseira e sua cor que levarão a praticá-lo, pois por mais piegas que possa parecer, amor e sexo para mim precisam andar juntos. E tão somente juntos. Amor sem sexo não rola. Amor sem companheirismo também não. E puseirinhas cujo significado foi estipulado agora, após anos de existência, isso aí não tem nem cabimento.




*** 



Atualizando de novo, eu não tenho jeito. Rs.
Vim mesmo só pra avisar que amanhã postarei minha pauta para o Blorkutando e mais meus votos de feliz natal à vocês, já que desde hoje tive zilhares de coisas pra preparar, e isso porque ainda não é nem quinta feira! Mas espero que vocês entendam esse surto repentino de atualizações :D
Hum, e outra coisa: terminei de ler Marcada. Juro que me surpreendi com a qualidade e com a capacidade que esse livro teve de me prender! Amei! E afirmo, como todas as letras, que é melhor do que a série Crepúsculo. Atirem-me pedras, mas é a minha opinião!
E por hoje é só.






Beijos, abraços e até a próxima!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Meu querido bom velhinho...



Este ano, fiz de tudo para merecer o nobre título de bom garoto: cedi meu lugar no ônibus, doei roupas à um asilo, ajudei os colegas que necessitavam de minha inteligência, tirei notas altíssimas para um segundo ano do ensino médio bastante difícil, raramente faltei com minhas obrigações em casa e fui fiel ao meu trabalho, de segunda a sexta, às sete e quinze da manhã, estava de pé, recebendo as crianças da escola com um sorriso e um sincero bom dia.
Então, como todo fim de ano, chegam as festividades de fim de ano e, com elas, a famosa tradição dos presentes. Papai Noel, ninguém é melhor do que o senhor para dizer quanta bobagem eu pedia em minhas cartinhas que transpareciam inocência: bonequinhos, neve, cubo mágico e até um ioiô! Mas hoje, especialmente hoje, quero lhe pedir algo que não há dinheiro no mundo que possa comprar: paz.
Sei que é meio improvável que o meu presente venha num embrulho daqueles lindos, com um lacinho vermelho em cima, até porque ele não é destinado somente a mim; é para todo o mundo. Você sabe que atualmente é muito fácil enxergar a desunião, a violência, a discórdia e o desprezo entre as pessoas e eu tenho certeza que somente a paz será capaz de curar todas estas desavenças existentes no planeta. A paz é a solução! Não vejo nada além de desgraças nos jornais, TV, internet e rádio. Eu quero ser capaz de mudar o mundo. Eu posso ser capaz de reverter esta situação. Só preciso da sua ajuda, bom velhinho. Com toda a felicidade que o senhor irradia nesta época, não será muito difícil erguer uma bandeira branca à vista de todos e proclamar: " que todos tenham paz ! ".
Mas caso algo dê errado na entrega do presente, serve aquela camisa polo listrada de lilás e branco que eu vi ali no shopping, tá bom?


Um abraço, Papai Noel,

Tiêgo.



Pauta para o Post It - 29º semana: uma cartinha para o Papai Noel.

***




Oooi gente! Tudo bom?
Voltei com a velha tradição do PS! Rs.
A cartinha pro papai noel foi uma ótima sugestão de tema do Post It! Adorei!
Gente, tenho um monte de coisas pra contar pra vocês! A começar por uma bem legal - ou não - : comecei a namorar. Não sei se fará bem pra mim, ou se minha consciência deixará por si. Ainda amo TM, mas a S. me faz muito feliz! Mesmo.
Outras coisas: quase fui atropelado de novo, emagreci um quilo (#felizfelizfeliz), tirei a virgindade do meu cabelo e o tingi de preto-azulado. Amei a cor *-*! Achei cinquenta reais na rua, recebi vários comentários das tudodebloguetes elogiando meu desempenho, postando as pautas para o TDB, me vi na revista da Tay Scott, meus pais estão em marcação comigo, conheci uma galera superlegal no orkut, chorei litros assistindo mais uma vez o filme PS: EU TE AMO, morri de rir com American Pie - o Livro do Amor, concluí meu livro após um ano de enrolação e chororô por nao querer terminá-lo, decidi escrever uma trilogia e meu fim de ano com certeza será mais triste que o do ano passado, já que será o primeiro natal e ano novo sem meu avô. E por último, comecei a ler Marcada, de PC Cast e Kristin Cast . Tô amando e recomendo!
Nossa, quanta coisa! RS.
Caso queiram se corresponder comigo, entrem em contato por comentários! Fiquei feliz de conseguir um correspondente por causa do meu blog! Valeuzão, Matheus :D


Ah, e me sigam no Twitter: @tiegoalencar ! Rs.




Beijos, abraços e até a próxima!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Um tempo para ser feliz.



Há pouco tempo, perdi uma amiga muito querida. Álcool mais uma direção perigosíssima resultou na dor sem fim de parentes e amigos. Dentre eles, estava eu, que ocupou por mais de três anos o posto de melhor amigo. Pensei que jamais fosse me recuperar de tal trauma, alguém como aquela garota eu jamais iria encontrar. Mas aí veio o presente que nem sempre avisa quando chega: o tempo. Neste pouquíssimo período, aprendi que o tempo cura as dores mais ínfimas que possam habitar nossos corações. Não importa qual seja ela, o espaço de tempo necessário ao esquecimento sempre chegará e de vez. E isto vale para todo tipo de obliteração: filmes de terror, um fora do amor da sua vida, aquele mico no meio da galera, um pesadelo. Não há sensação melhor do que a de se sentir livre daquele peso que assola sua consciência. E o tempo só nos ajuda neste processo; todavia, sentimos que ele nunca passa. Porque, será? Já fiz e refiz esta pergunta a mim mesmo diversas vezes e a resposta chegou depois de um raciocínio rápido e lógico: somos nós que atrasamos o relógio quando estamos querendo correr contra ele. Viver em função da pressa para o tempo passar não faz sentido. Temos apenas que cumprir nossos papéis perante nós mesmos. Viver de verdade, sabe? Esquecer dos problemas pelo menos uma vez na vida vale a pena. Acredito que eu, você e milhões de outras pessoas pelo mundo ainda perseveram na esperança da felicidade. Seja ela para agora, ou para amanhã. Hoje é tempo de ser feliz!




º Pauta para o Blorkutando- 64º Semana: O remédio é o tempo.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Pauta tripla ( com os temas do Tudo de Blog ) .

Putz, gente, prometi a mim mesmo que iria postar todas as pautas cujo tema foi dado pelo Tudo de Blog . Aí tá, o problema é que são quatro temas, mas só consegui escrever três, então divirtam-se com as pautas, estão legais!

***

Cueca de patinho não pode !

Já recebi tanto presente de amigo secreto 'irado' , na falta de uma palavra melhor, que nem gosto de lembrar. CD de brega, pulseirinhas usadas e feias, livros péssimos, sandálias de número sete vezes inferior ao meu... Mas estes até deram pra relevar, saindo com cara de paisagem do encontro. Mas me lembro de um amigo secreto que participei na sétima série , cujo presente estipulado era qualquer peça de roupa. Até aí, tudo bem. Chega o grande dia, um revela quem tirou, o outro agradece. Até que chega a vez da garota mais linda da sala, a que eu e a metade da torcida do Flamengo era afim. Ela começou aquele joguinho irritante de dizer as características contrárias às da pessoa que foi sorteada. Quando ela revelou, depois de um século, " meu amigo é o Tiêgo ! " , meus olhinhos brilharam de felicidade. " Ela me tirou, que massa, cara ! " , eu pensava, como um estúpido adolescente apaixonado. Fui até ela, a abracei e peguei o presente. Senti a textura fina da seda, inconfundível. A galera gritava " ABRE, ABRE ! " e ela, com os dentes semicerrados, dizia " NÃO, DEPOIS " . Fiquei todo confuso, mas na hora minha ansiedade - desgraçada - foi tanta que não suportei a pressão e rasguei o embrulho impecável de papel laminado. Pura falta de sorte. Quando puxei a peça de roupa, qual não é a minha surpresa: era uma cueca sambacanção azul-marinho com estampa de patinho! A garota morreu de vergonha, eu quase me enterro e a galera ria sem parar. No fim das contas, ainda tinham os fofoqueiros de plantão que diziam que ela tinha comprado pra eu usar só pra ela. Isso me irritou muito! Foi o pior presente de amigo secreto que já recebi.
Mas até que a praga da cueca teve certa serventia pessoal: cheguei a usá-la duas vezes para dormir!




---



Eu + Eu = parceria conjunta.

Nas poucas vezes que tive CE's ( Crises Existenciais ) , recorria rapidamente a um amigo fiel, que sempre concordava com tudo o que eu dizia e que jamais me contrariava: meu reflexo. Passava horas em frente ao espelho, imaginando como seria se eu tivesse uma cópia minha ali, de prontidão, disposta de verdade a me ouvir, já que eu saberia tudo sobre ela e viceversa. Meu refúgio particular saberia exatamente o que eu precisaria para ficar feliz e cair fora da maré de tristeza. Ficaria o tempo que fosse me aconselhando, sempre visando o meu bem. Meu irmão gêmeo não estaria assim tão próximo da perfeição, pois mesmo me ajudando, ainda brigaríamos por causa do sorvete derramado, da roupa trocada, da mesma garota almejada. Seríamos exatamente como qualquer outro irmão, porém com uma diferença: não haveria ninguém, em todo o mundo, que me compreendesse e me respeitasse mais do que ele. Somente haviam sido criadas duas pessoinhas idênticas, e só este fato mereceria respeito. E atenção. E aquela bela dose de brigas misturada com uma pitada de pazes. Afinal, um não seria absolutamente nada sem o outro.



---


Incorporando o pai-de-santo (:D)

Sempre fui bom em palpites. E já conto com e experiência do ano passado, quando disse com toda a certeza do mundo que nosso país teria tempos de decadência total, com uma colaboração absurda da natureza. E mais, previ que iria surgir aquela cantora que desbancaria Britney. Taí a Lady Gaga.
Para ano que vem, temos muitos bafões! Sentem-se bem e preparem-se, porque o show de vidência vai começar!
Demi, Miley e Selena engravidarão do mesmo cara, que provavelmente seria o Nick Jonas, que estaria no fundo do poço por ter seguido carreira solo. Babado? Que nada. Robert Pattinson assumirá a homossexualidade e o namoro com um jogador de golfe. Nas eleições presidenciais, uma grande surpresa: Dilma Rousseff e Heloísa Helena disputarão um apertado segundo turno, com a vitória suada de Dilma por 0,5% das intenções de voto a mais. Detalhe para Lula e Serra, que ganharão vaias estrondosas de seus partidos respectivos. E para felicidade geral da nação, o Brasil conquista o hexa com virada em cima da Argentina por dois a um. Voltando ao cenário pop, Lady Gaga perderá o posto de diva maior para outra louca, mas desta vez, choquem: será um travesti!  Eclipse bate todos os recordes de bilheterias da história, enquanto Harry Potter e as Relíquias da Morte amarga um insucesso evidente. Taylor Lautner pede Taylor Swift em noivado no meio de uma apresentação dela, provavelmente o VMA. O mundo dá adeus à Amy Winehouse, que perde a luta contra si mesma - e contra as drogas. A banda do perfeitíssimo Asher Book, V Factory, estará bombando e sairá nas capas de todas as revistas do mundo inteirinho. Num acidente trágico de avião a caminho do prêmio de piores apresentadores do ano, Xuxa, Silvio Santos, Hebe e mais algumas bombas somem no Oceano Índico. O planeta continua a assistir, aos poucos, à sua degradação. E mais chuva, e mais sol e, de surpresa no natal, uma neve repentina assola todo o país, do Oiapoque ao Chuí.


E eu? Eu vou estar com 16 anos, fazendo parte do Tudo de Blog da revista Capricho e assistindo, junto com você, todas as minhas previsõe se fazendo reais!






***


Bem, o PS hoje é pouco. Cansei! Rs.
Podem comentar sobre uma só pauta ou sobre todas, não me importo. Quero que vocês me digam se eu daria um bom tudodebloguete! Rs.
AH, aumentei o tamanho da fonte! Rs. 

Beijos, abraços e até a próxima, que será daqui a um tempão! KKK. 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Um tal de destino .





" Temos o destino que merecemos. O nosso destino está de acordo com nossos méritos. "
                              
                                                                                                [ Albert Einstein ]



Certa vez, me deparei com uma situação, no mínimo, intrigante : fui visitar uma amiga e ela estava jogada no chão do seu quarto, olhando fixamente para uma folha de papel, parecendo uma receita médica, chorando de se acabar e gritando " eu quero morrer " incessantemente. Perguntei porque ela se sentia daquele jeito e recebi a folha de papel e uma frase que jamais imaginei ouvir da boca desta amiga:

 - Eu tô grávida.

Mil coisas passavam pela minha cabeça até o momento em que ela enxugou as lágrimas do rosto e disparou a seguinte frase, para então se calar e dormir em meus braços:


- Destino. Tudo culpa dele. Porque esse destino é tão cruel com a gente?


A partir deste dia, nunca mais fui o mesmo. Passei a visualizar as coisas de uma maneira totalmente diferente de como eu via antes. Percebi que o destino faz o que lhe é correto e o que seria conveniente à nós. Creio que se alguma coisa de errado vier a acontecer conosco, não importa qual seja esta coisa, ela tem um fundamento. Uma moral. Recordo-me das infinitas vezes em que me trancava no quarto e chorava, reclamando do destino, por ele ter feito meu dinheiro sumir, por ele ter me feito cair no meio do refeitório, por ele ter me feito perder a prova de física valiosa. Tudo isto teve uma consequência, para bem ou para mal. O tempo é aliado do destino. Se eu perdesse hoje minha carteira com mil reais, não entraria em estado de coma como teria entrado antes, de tanto me lamentar. Sei que há males que vem para o bem. Me dei conta de que somos merecedores do futuro que nos é reservado. Não fazemos nada por não merecer. Pode aé ser que você consiga o mérito por algo que não cumpriu. Mas o contrário jamais acontecerá, queira você, ou não.
Destino. Futuro. Senhor do tempo. Controlador da vida. Impulsor de sentimentos.
Agradeço por ter se colocado perfeitamente em minah vida. Por ter me feito acreditar que se deve merecer o que ganhamos, desde pequeno. Que nunca devemos dizer que o destino é cruel, por mais dura que seja a situação que ele lhe impôs. O destino não fará algo que lhe aflija por vontade própria.
Agora sei que sou uma pessoa melhor. E que o destino reservará somente o que eu precisar.

E o que eu merecer.





Pauta para o Post It - 28 edição : Albert Einstein.

 
***


Ooooi, galera!
Bem, este texto me emocionou. Não tenho bem ideia do porquê, mas tenho minhas suspeitas. Me fez lembrar de fatos que já deveriam ter sido apagados de minha memória, mas enfim, que ele deixe vocês pensando sobre o que fazem para merecer o destino que lhes é reservado.
Tá chegando o natal e eu tô louco pra ganhar presente! Aliás, quem não quer? Rs. Quero que me contem como anda as férias e como foi o fim de ano de vocês, hein? Hehe.
Como tô aproveitando ao extremo minhas férias, não poderia deixar de citar uma coisa: não deixem de conferir o cinema. Assisti diversos filmes nos últimos dias e me surpreendi com o quanto me divirto! E Lua Nova não em decepcionou, foi fiel à obra. Recomendo. E pras garotas, Taylor Lautner não deixa mesmo a desejar. Rs.
Outra coisa: por incrível que pareça, esta temporada de Malhação tá me satisfazendo. Enfim, uma pra me alegrar! Recomendo também, pra quem tem identidade, tema principal dessa temporada. #MERCHANDISING
Ah, e iria adorar que vocês votassem muito, mas muito mesmo na Erica Ferro no Melhores do Ano do Blorkutando. Ela merece, gente! Cliquem aqui e aqui e votem mesmo!

Última observação: gostaram do novo layout? Eu amei *-* não resisti quando vi e mudei sem pensar duas vezes!


Beijos, abraços e até a próxima!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Fã(nático).



Tiago Iorc, Rihanna, Fergie, Jason Mraz, Mika, Asher Book.

Ai, como eu queria poder tocar em cada um deles e dizer: " eu te amo! Sou seu fã! " e receber aquele nobre " obrigado pelo seu carinho " de volta. Como eu gostaria de dizer ao Tiago Iorc que meu primeiro beijo foi embalado por Scared . Dizer à Rihanna que choro quando ouço Unfaithful  e lembro de tempos antigos e conturbados. Falar para a Fergie que toda vez que a vejo, sinto uma vontade louca de morder suas bochechas. Confessar ao Jason Mraz que Lucky me faz sonhar. Gritar pro Mika que a voz dele é a minha inspiração maior na hora de escrever. E dizer ao Asher Book que nunca consegui a façanha de me viciar numa voz tão rápido quanto a dele.
Cada um marcou minha vida de um jeito ou de outro e eu serei eternamente grato à eles.
Por isso, não pensaria duas vezes antes de correr atrás deles e pedir autógrafo ou para tirar uma foto. Daria uma de tiete sim, sem pestanejar! E não me envergonho disso. Uma vez que todo ídolo ama seu fã, não precisaria pesar os prós e contras antes de abraçá-los, demonstrando todo o meu amor por eles e que pelo menos uma pessoa no mundo os ama. Muito. Muitíssimo.
Uma pena que seja impossível encontrá-los tipo assim, de bobeira por aí, esquecendo completamente que são famosos - demais - e que não podem mais ter uma vida social normal.

Mas bem que em uma das minhas visitas - quando estiver rico e feliz - ao Rio de Janeiro eu poderia esbarrar no Mateus Solano sem querer lá pelo Leblon, não?







 ***


Oi, gente! Tudo bom?
Bem, resolvi dar uma mudadinha no estilo do texto e centralizei
para evitar aquela mesmice de sempre que chateia demais, né?
Desculpem a ausência, de novo. É que depois de muito tempo,
aqui choveu! Já estava sentindo saudades do barulho da chuva, da
cor do céu, do cheiro de terra molhada. Sempre gostei de chuva.
Só não gosto de ver as tragédias com ela todo santo dia no jornal.
Lamento muito por toda essa gente que sofre com as enchentes.
Mais uma vez ganhei o bronze no Post It! Fico tão feliz por essas
conquistas! Valorizam minha voz de blogueiro e quem ganha
com isso são vocês! Não é verdade?
Ai, uma outra coisa: falei no Asher Book aí em cima. Tô viciado em V Factory, a
banda dele. Gente, vocês vão amar! Esperem pra ver o Asher arrasando em todas as
capas de revista: ele canta muito e faz o maior estilo bonitinho! Tem tudo pra bombar!
Pra finalizar: gente, quero pedir uma coisa pra vocês. Votem na Erica Ferro pra Blogueira
e Blog do Ano no Melhores do Ano do Blorkutando ? Poucas vezes me deparei com
tamanha genialidade em uma só mente! E um carisma inigualável! Podem votar clicando
aqui para Blogueira do Ano e aqui para Blog do Ano. Votem, mas votem muito! A Erica merece!



Beijos, abraços e até a próxima!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Ai, férias !




Sabe quando você acorda de manhã, sentindo que tudo vai dar certo? Que você pode tudo? É a mesmíssima sensação que toma conta de mim quando chega o período mais gostoso e divertido do ano: as férias! Os sentidos se despertam, não mais por obrigação; a vontade de viver invade cada terminação de nossos corpos e aquele desejo chato de ficar sem fazer nada dá lugar à sede de aventura, de se jogar de cabeça no radicalismo. Mas, mais do que poder ter a sensação maravilhosa de sentir tudo isso reunido, podemos ver a liberdade dar o ar da graça. Ou melhor dizendo, conseguimos sentir o sabor inigualável de estar livre. Livre da escola, das regras, das obrigações e tarefas. Nas férias, somos o que queremos ser, fazemos o que queremos fazer e gostamos do que queremos gostar. Temos o direito de ser felizes por este espaço - tão curto,diga-se de passagem -  de tempo.
Estas férias irão ficar para a minha eterna recordação: farei tudo o que não tive a oportunidade de fazer nas anteriores: correr na praça para enfim pôr em prática o plano de emagracer, sair por aí pelas baladas noite adentro, encontrar a galera despropositalmente para por o papo em dia, e sorrir. Sim, sorrir. Mais do que de costume. Sorrir por sorrir, de alegria, de satisfação. Pois se eu já odiei mais as férias do que ter que acordar cedo num domingo de manhã, hoje eu dou o maior valor nelas. Só quem já sentiu a pressão do segundo ano do ensino médio, vestibular chegando, provas e projetos absurdamente cansativos e mais uma rotina de lascar é que pode me entender.
Férias foram feitas para se curtir. Mais do que nunca vou aproveitar ao máximo as minhas, já que ano que vem é ano de vestibular e eu não poderei sossegar nem um segundo sequer. Aliás, quando é que ano de vestibular dá trégua?!





º Pauta para o Post It - 27º Edição :  Férias.




*** 



PS: Oooi, galera! Beleza?
Primeiramente, perdoem minha ausência. Adquiri um tersol horrível no olho esquerdo e não conseguia me manter na frente do monitor por dois segundos. Desculpem mesmo.
Hoje me aconteceu uma coisa ótima: apareci na MTV *-* ! Mandei minha opinião sobre o Paramore e consegui, depois de inúmeras tentativas! Tô radiante!
Por consideração à minha querida amiga, Tayane Scott, queria desejar do fundo do meu coração toda a sorte na apresentação do TCC dela, que inclusive contou com minha nobre participação ( cof, cof, Tô ficando importante, sô! Rs. ). Quero mesmo que ela se dê bem e se livre de uma vez por todas dessa angústia que é ter que concluir seu curso. Sorte e força, Tay!
Postarei mais no fim de semana, aguardem!

Beijos, abraços e até a próxima!

domingo, 29 de novembro de 2009

Salve, Mauricio!




Não me lembro de a Stephenie Meyer , autora da série Crepúsculo ( dã, ninguém sabe quem é ), ter sido criticada por ter investido em ficção científica, fugindo completamente da modinha dos vampiros, com o livro A Hospedeira. Meg Cabot, por sua vez, não mediu esforços para sair da realidade da princesa Mia, de O Diário da Princesa, para encarar o terror avassalador do conto de vampiros em Formaturas Infernais. E ela não foi alvo das críticas do mal de ninguém.
Tenho plena convicção de que Mauricio de Souza ( precisa dizer que ele é o autor da Turma da Mônica? Ops, saiu! ) não será criticado pelas más línguas por ter colocado em cheque mais um, dos vários personagens que criou, que mostra nossa realidade social: o Caio, o personagem que é o melhor amigo da Tina e que sugere traços homossexuais. Encaro este como mais uma das ótimas empreitadas do desenhista, que é merecedor de aplausos calorosos pelas suas inovações. Acho que não chegou a hora do reinado do mestre das HQ's terminar. Sinto informar a quem não simpatizar com o Caio que ou você está sofrendo um lapso mental irreversível ou está se fazendo de bobo. Pois se eu já ri muito com um mudo, um cadeirante e um garotinho que trocava o R pelo L, tenho muito mais para sorrir e ganhar com um carinha gay que não vai me fazer nada. Nem discriminar, nem criticar.
Vai apenas me fazer sorrir.












***

Oooi, gente! Tudo bom?
Bem, acho que vocês já estão sabendo que o Mauricio de Souza criou um personagem gay para as histórias da Tina. O caso está dando o que falar e foi parar no Tudo de Blog, que eu não posso perder mais as pautas. Já é um treino caso eu entre ano que vem!
Ah, outra coisa: ganhei de novo em terceiro lugar no Post It ! E a Erica ficou em segundo, nossa segunda dobradinha seguida! Rs', tô feliz!

Bem, por hoje é só. Como já estou de férias, é provável que eu atualize mais o blog durante a semana.

Beijos, abraços e até a próxima!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Sem pretensão, nem opção






Uma das poucas coisas que me deixam profundamente emocionado e triste de verdade é o desfecho trágico e quase sempre fatal daquela história em que a mocinha acaba perdendo o seu herói para o tempo, que o leva sem dó nem piedade para o infinito, para a eternidade. Parece que não só para a mocinha da história, mas para todos nós, que o tempo não passa nunca depois da partida de alguém. Lembro-me uma vez de ter aguardado ansiosa e incodicionalmente pela volta de uma amiga, há alguns anos atrás, e fiquei frustrado com o resultado de tamanha espera: ela não havia retornado depois de quase dois anos. Meu coração ficara amargurado por horas, meses, dias, anos. Eu a amava mais do que a mim próprio, se é que isso ainda era possível. Percebi que esperar não doía tanto, não tanto quanto o remorso insuportável que eu sentia por não ter me despedido de verdade dela. Levava comigo a todo lugar o pensamento, a lembrança do momento em que ela se fora. Vim saber anos depois, uma vez que eu já havia esquecido dela, que ela havia falecido, vítima de bala perdida em São Paulo. Não consegui conter as lágrimas. Mas pelo arrependimento grande de não ter me declarado e ter dado um fim diferente à história do que pela partida trágica dela.
Despedidas marcam. E estas marcas podem levar muitos anos para sarar. Arriscaria dizer séculos, já que a dor da partida não se iguala a nenhuma outra.
Despedidas doem. E sempre terão suas dores acompanhadas pela mescla infalível de lágrimas e tristeza de dias; lágrimas estas que lavam nossa alma depois do momento fatídico da despedida. Partidas podem nos fazer pensar muito, refletir bastante e retomar caminhos que já havíamos abandonado. Podem surgir as clássicas perguntas, porque necessitamos delas, se precisamos, porque existem e qual seu real signifacado.
Despedidas sempre serão inesquecíveis, sejam elas para sempre ou não. Afinal, a vida é cheia destes acasos que você sabe muito bem quais são e que, com toda a certeza, ajudam na hora de esquecer estes momentos ' despedidosos '. Quem não lhe garante que a felicidade está bem ali, ao dobrar a esquina?





º Pauta para o Post It - Edição 26 : Despedidas.





***



PS: E aí, gente? Tudo bom com vocês?
Bem, eu estou satisfeito com tudo. Fim das aulas, um bom final de semana, férias do trabalho e uma baita de uma preguiça chegando. Vocês estão indo pelo mesmo caminho? Junte-se ao clube! Rs.
Ah, recebi um convite ontem superinesperado : fui chamado para ser colunista do jornal da minha escola, que é administrado por uma amiga! Legal, não?
Outro ah, desculpem pelo texto incompleto. Na quarta feira o Blogger não quis colaborar comigo de jeito nenhum.
E boa sorte à mim com meu texto! Rs.

Beijos, abraços e até a próxima!

domingo, 22 de novembro de 2009

Se o mundo acabasse em 2012, eu...



Sentiria uma imensa tristeza. Apesar deste mundo ser tão injusto e hospedar seres que no mínimo levariam o título de desumanos, eu não ficaria feliz com este fim. Foi aqui que eu fui feliz, que eu construí minha vida e não seria fácil me desfazer disso tão rápido - se não fosse pelo simples fato de eu não ter a menor opção: eu iria morrer de um jeito ou de outro. Sem escolha, sem opinião, sem futuro.



***



P.S: Ooi, gente! Tudo bom com vocês?
Bem, eu achei ótimo este tema do  Tudo de Blog , pois foi justamente em torno da polêmica do filme que o tema foi gerado; as produções hollywoodianas são um tanto sensacionalistas e incertas, e eu duvido que o mundo acabe mesmo em 2012. Em se tratando de um filme, prefiro manter minha posição à respeito do que vai acontecer: espero sentado. Sim, sentado, porque não há motivo para preocupações. Simplesmente viva a sua vida sem se importar com o fato de que uma produção de milhões mostre o que vai acontecer. Ninguém sabe o dia de amanhã, não?
Ah, novidade: ganhei em terceiro lugar no Post It ! Tô radiante! O tema era companheirismo, adorei mesmo! Melhor porque ganhei! Rs'
Vocês já devem estar se sentindo de férias, não? Eu sim, já passei para o terceiro ano e estou feliz da vida! Rs'
Bem, é isso!

Beijos, abraços e até a próxima!

Postura valiosa




De uma coisa, todos temos certeza: esse caso da UNIBAN ainda vai dar muito o que falar e chegou a minha vez.
Creio que ninguém ali estreja com um pingo de razão, uma vez que ambas as partes agiram de maneira incorreta. A aluna, Geisy Arruda, já devia ter a consciência de que seria julgada pelo modo como estava vestida - se bem que era ela para estar se sentindo mal nos trajes que ela própria escolheu, não os outros colegas. E a universidade conseguiu  dar o alarde para nível de escândalo nacional. Palmas. Para cada um  que participou deste lastimável episódio que infelizmente teve milhares de expectadores.
Gente, vocês já pararam para perceber que estamos falando de educação também?! Tenho ceteza de que se a postura fosse bem utilizada tanto pela universidade como pela Geisy, o caso não teria tido tamanha proporção.  O vestido que era pra ser inofensivo, acabou ofendendo mais do que a encomenda. Pessoal, não sejam tolos ao acreditar que o modo como a pessoa se veste diz tudo sobre ela. E não tenham em mente aquele famoso clichê, que diz que postura é coisa para cavalos. Afinal, se fosse mantido o sigilo quanto à todo esse absurdo,  nada disso seria preciso. Expulsão, readmissão. Traumas, convites para desfilar em escolas de samba. Isso tudo seria evitado. Mas como todos sabemos, vivemos na era da tecnologia e é claro que os ingênuos colegas da Geisy estavam com suas parafernálias tecnológicas armadas, porque sabiam que aquilo daria um belo de um escândalo.

E não é que deu?



P.S RÁPIDO: Duas pautas atrasadas porque adoeci esses dias e não tive condições de atualizar meu pobre blog. Mais pauta aí em cima!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

À procura do companheirismo



Sem querer  começar o texto de maneira filosófica, mas já começando, companheirismo é uma questão de lógica e atenção. Saber escolher suas companhias pode ser decisivo na hora do senhor destino escrever no diário da vida de cada um de nós. O da minha vida, sem sombra de dúvidas, está escrito totalmente de maneira aleatória. Eu, assim, como você - suponho - , topei com pessoas que não escolhi para me fazer companhia - elas simplesmente chegaram. O meu nesta história foi apenas delimitar cada qual ao seu lugar. Fui lógico -   e direto. Sempre quis entender o porquê dessa insistência do destino em querer pôr as pessoas erradas ao meu lado. Cansei de quebrar a cara com amizades fúteis, que para mim eram as melhores. Cansei de perceber que companhias podem nos fazer (muito) mal em alguns casos - tenham em mente uma sala de aula, combinado com aquela prova devastadora de matemática e, bem do seu lado, não te deixando concentrar, aquela companhia.
Aprendi a ser mais seletivo quanto às minhas parcerias. Fui atento.
Companheirismo seria algo que, se bem demonstrado e vivido, é digno de um pedestal. Ou um pódio, em primeiro lugar. Ou um oscar, por "Melhor Demonstração de Afeto".
À propósito, minhas companhias nem sempre tem tanto contato físico. Querem um exemplo nítido de companheirismo bem real? Os comentários em um blog - ou vai me dizer que você nunca se sentiu feliz ao perceber que o que escreve está sendo acompanhado por alguém?! Pelo menos eu me sinto mais perto dos meus leitores quando recebo um comentário do que daquela amiga falsa que insiste em estar ao meu lado, mesmo depois das verdades ditas e das mentiras reveladas.
Convenhamos, companheirismo vale a pena quando é preciso e bonito. Eu aceito um, sincero, verdadeiro e real, já que é sempre difícil vermos aquela parceria perfeita sair das telinhas e telonas para um mundo que, mais do que nunca, precisa de companheirismo entre as nações.




º º º



* Pauta para o Post It - Edição 25: Companheirismo.






***

E aí gente, beleza?
Desculpa pela ausência do blog por todo esse tempo - cinco dias.
Tô com um projeto pra apresentar amanhã e sem tempo pra quase nada.
Ah, gente, ganhei no Post It em primeiro lugar! É claro que a concorrência era pequena - ok, dois textos -, mas era concorrência! E ganhei! Legal , né?
Gente, atualizar na sexta só, se não no sábado.

Beijos, abraços e até a próxima!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

País perfeito?




Que atire a primeira pedra quem nunca julgou seu país, estado ou cidade pelos seus defeitos. Corrupção absurda, descaso com a saúde pública, educação às moscas... Quisera eu ser um superherói para solucionar os problemas volumosos de meu tão amado país! Mas mesmo que eu não seja, posso muito bem aceitar a realidade e dizer que amo meu Brasil, apesar de Estados Unidos, China e França largarem na frente em termos de organização socioeconômica. Não o troco por nada. Mas mais uma vez aceitando as circunstâncias em que me pus a dissertar, tiro o chapéu para um país: Inglaterra. Tenho muitos motivos para ter feito essa escolha. Primeiro, tem sua beleza natural, indigna de cuidados, uma vez que os cidadãos sabem muito bem que não se deve pôr lixo no chão e pichar os prédios públicos. Segundo, seu sistema político, por ser uma monarquia estamentista - e muito rigorosa - , não permite que haja a interferência absurda e desleal da corrupção. E terceiro, a organização social é bem desenvolvida, o que falta - e muito - para nossa ex-terrinha de Vera Cruz. Sem contar com a vasta diversidade cultural que é aceita por toda a sociedade, sem nenhuma revolta dos diferentes, que gostam de se rebelar contra as tradições de nossas regiões - ou seja, revoltadinhos, já era.
O meu conceito de país perfeito nem chega a ser tão crítico assim. Se encaixaria naquele lugar em que não houvessem problemas de desordem social, nem de corrupção política, nem de violência de todos os tipos e jeitos. Basta que exista aquela voz de ordem que deveria estar nas autoridades e que nos deixasse mais tranquilos quanto ao nosso bem-estar. O sincronismo entre todas as pessoas também contaria muitos pontos. O conceito de país perfeito é relativo para a maioria das pessoas, mas vocês hão de concordar que somos conscientes o suficiente para saber o que lhes é conveniente.
É, um país em condições para todos já seria um bom começo, não acham?




º Pauta de retorno para o Post It - Edição 24 : Meu país ideal.






***




E aí, minha gente!
Desculpem não ter atualizado antes, sem tempo nem pra me coçar direito.
Ah, me deu uma vontade louca de retornar ao Post It! Espero que curtam o texto-retorno!
Curtiram o novo layout?
Ah, outra novidade: um amigo está promovendo na escola o Meus Prêmios Tico - porque o nome da minha escola é Tiradentes - , que é uma premiação - dã - aos melhores do ano. Tô concorrendo em TRÊS categorias! Nerd do ano, Produção do ano, pelo meu livro, e Paranoiko do Ano, pelas minhas loucuras que alegram até a diretora! Hahahahaha
Desejem-me boa sorte!

Beijos, abraços e até a próxima!

sábado, 7 de novembro de 2009

Apenas mais uma sobre mudanças.



Assim como outros 1.435.789.282 blogueiros - números fictícios -, também resolvi falar sobre mudanças. Sim, aquela coisinha incômoda que consegue o feito de penetrar em nossas vidas tão sorrateira e silenciosamente que só conseguimos perceber quando a tempestade passa. Mudar, para mim, nunca foi um tabu, pois sempre tive um metabolismo meio acelerado e cresci rápido demais. Não me lembro de ter sentidodor nesse processo. A partir do momento em que percebi o real significado da palavra mudança, constatei que estava amadurecendo; a mudança que o real sentido da palavra mudança provocou em mim me fez despertar para a realidade que me cerca.
Filosofando, acho que mudar nada mais é do que uma brincadeira que o destino faz com a gente. Nós rimos com o que acontece com nosso corpo, com nossos gestos, com nossos sentimentos... A vida é um ciclo, não é? Vivemos em função das mudanças e não há nada que possa freá-las. Mudar é inevitável, é uma realidade e é uma coisa que deve ser aceita. Mudar pode até nos fazer bem, tanto que hoje, as pessoas mudam a cor do cabelo, fazem lipo, frequentam academia e o que se vê com o resultado são sorrisos em demasia!
Meu objetivo real deste texto era convencer você de que até coisas radicais como mudanças podem ter umlado positivo, sim. Posso colocar-me como exemplo; antes, não valorizava nem um pingo das coisas que valorizo hoje. Metamorfoseei por completo.

Estão vendo? Nem eu escapei das mudanças!






***





Gente, juro pra vocês que eu estou mudando só mais uma vez - como se já não bastassem as outras mil anteriores. Ah, e não reparem a bagunça do lay. Tô tentando mudar e espero que consiga! Adoro inovar! Rs'
Ah, outra coisa: ontem quase fui atropelado na faixa de pedestres. Quase morri - literalmente.
E por último, queria me explicar com vocês caso não poste semana que vem: vou estar correndo contyra o tempo para estudar para um projeto na minha escola, para a semana da consciência negra. Desculpem mesmo se isso aqui ficar uma mesmice.

Beijos, abraços e até a próxima!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Confiar é preciso




Conquistar algo é sinônimo de vitória. Talvez conquistar a confiança de alguém seja a melhor vitória de todas. Depois de tanto caminhar, você chega ao seu destino. É a mesma coisa com a confiança. Se pararmos para pensar em como guardamos essa confiana, veremos o quão idiota somos. Às vezes, deixamos de entregar a confiança nas mãos das pessoas certas para jogá-la no fundo do poço. Ou seja, confiamos em quem não deveríamos confiar e acabam nos apunhalando pelas costas. Marido, mulher, namorado, namorada. É tudo igual.
Confiança é uma incógnita perfeita. Nunca se sabe quando está bem guardada ou como está, mas mesmo assim, confiamos. Sempre pensando que aquele segredo de estado está bem reservado. E é sempre bom que tenhamos um certo pensamento positivo quanto à hora de confiar, porque caso estejamos errados, o positivismo nos impede de ver aquele erro. Disfarça-o. Isso ajuda muito quando ficamos frustrados em nossas escolhas, sejam elas quais forem.
Mas uma dica eu deixo: jamais confie totalmente. Tudo na vida tem um fim, e a vida dá bruscas voltas. E quem lhe garante que você não pode cair numa delas?

Pense nisso.




***



PS: Texto antigo pro PostIt, queria mesmo falar sobre confiança, já que descobri uma traição ontem. Tô chateado mesmo.

Beijos, abraços e até a próxima!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Quer me tirar do sério?




Existem coisas que me tiram do sério assim, sem mais nem menos. Ver aquela cena típica do vilão se dando bem nas novelas e filmes, ou de uma pessoa maltratando um animal sem dó nem piedade me deixa com os nervos à flor da pele. Injustiça, preconceito, fofoca, futilidades. Tudo que tire aquela cor azulada do meu dia me tira do sério. Não há coisa mais crítica do que aquilo que, do nada, tire toda a alegria do seu dia. Pelo menos, eu tento levar as coisas na esportiva, para tentar esquecer o absurdo que me fez sair do sério. Às vezes nem precisa ser coisa muito problemática: basta que aflija meu ego. Nada detém a força da raiva que toma conta das pessoas num momento de inquietação e vocês devem saber muito bem disso.
Pelo sim, pelo não, opto por dizer que detesto tudo que me deixe triste, afinal, um sorriso deixa lindo o mais escuro e tenebroso dos dias e ninguém vai querer que seu dia seja perdido graças a alguém ou alguma coisa que prefere te ver pra baixo do que pra cima, né?






***

[P.S: Galera, não me atirem pedras se o texto não tiver ficado bom. Improvisei agora e eu nem sei se sou tão bom assim de improvisações. Mas fiz de coração.
Ah, uma coisa maravilhosa aconteceu ontem: teve show do NX Zero aqui na minha cidade e eu, lógico, estava lá, no meio da galera, naquele empurra-empurra e gritaria. Foi a melhor sensação que já vivi na vida. Pude constatar, além do que eu já sabia sobre eles, que o Di anima a galera até a alma, que o Gee manda superbem na guitarra a ponto de tocar I Gotta Feeling, do Black Eyed Peas, que o Fi quer vir morar aqui, que o Caco é supertímido e que o Dani é o mais louco de todos: o cara jogou quatro baquetas da bateria dele pra galera! Fora os copos com água que eles jogavam no meio do povão! OMG, e num desses voos a água respingou em mim! Nossa, juro que chorei de tanta emoção!
E caso vocês não tenham percebido, eu esperei até agora pra contar tudo pra vocês, já que meus leitores são os mais lindos e atenciosos de todos, claro.
O P.S ficou maior que a postagem, eita loucura! Imitei o feito da Erica ! Haha!]

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Pense duas vezes, pense.




Sempre segui o princípio de que a conversa, o diálogo, resolvem qualquer tipo de incoveniência, seja lá qual for. Penso duas vezes antes de falar ou fazer alguma coisa. É automático. O que me faz gostar dessa mania é saber que posso evitar vários problemas, como a agressão física. Hoje, se falarmos um 'ai' fora da linha, poderemos receber como resposta não um ' ah é? ', mas um soco ou um pontapé, e isso não é novidade pra ninguém. Resolvi abordar este tema depois que ontem, quando terminou a feira cultural da escola, vi que duas garotas discutiam com força a poucos metros de onde eu esperava meu pai. O motivo eu não sei, só vi quando sorrateiramente dois policiais chegavem perto delas e a garota mais alta, sem perceber, gritou pra quem quisesse ouvir que ela tinha um bombeiro pra apagar o fogo dela e que nenhum policial FDP* ia impedir ela de ficar com o tal cara. Eu não entendi nada, mas a outra garota, mais baixinha, acenou para os policiais que estavam atrás da garota alta, que foi presa em flagrante por desacato a autoridade. A garota que acenou pros policiais ria de se acabar da cara da outra e eu também não pude conter minha satisfação por ver que a justiça tinha sido feita.
Nesta situação, pude perceber que é de extrema importância medir nossos atos. Devemos sempre prestar bastante atenção no que fazemos, já que palavras ferem bem mais do que gestos e isso é incontestável.








* * *


[ P.s: Recebi um convite inesperado e maravilhoso da Tay! Ela simplesmente me chamou pra participar do TCC dela, graças ao meu blog! Tô tão feliz, mesmo! Gente, vocês que leem, devo muito à todos! Obrigadão mesmo, só postei mais um dia seguido porque não gostei da postagem anterior e porque não existe PS sem postagem! Hahahaha'/ escrevi mesmo mais por causa do convite da Tay, nem me importo muito com a qualidade do texto! Valeu mesmo, galera! Tay, você é mais maravilhosa do que setecentos sapos de chocolate. Te amo, muito! ]

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Minha vida aos dezoito, parte dois.



Para quem perdeu a primeira edição, resolvi escrever uma história baseada em meus futuros dezoito anos, ideia cedida pelo projeto para blogs que não participo mais, Bee Writer. Caso você queira ler a primeira parte que não é tão grande quanto esta, clique aqui.
Caso não queira, leia daqui mesmo, você vai entender de um jeito ou de outro.



[Batidas na porta]


- Deve ser ela - pensei, dirigindo-me à porta. Quando girei a maçaneta, quase caio para trás.

- Ti! - exclamou aquela voz que prendia minha atenção no tempo do colegial.


- Isadora?!


- É, eu estava aqui no apê da minha tia, e lembrei que você tinha me dado seu endereço no orkut, lembra? Fiquei até com medo de bater na porta e não ser você - disse ela, rindo.


Isadora estava inacreditavelmente mais madura. Havia crescido mais alguns centímetros e seus cabelos estavam mais encaracolados do que nunca. Seu rosto parecia ainda mais belo e seus traços haviam sido marcados de vez pelas linhas do amadurecimento. Observei-a, incrédulo, pois a garotinha que eu tanto amava naquela época, tinha se trasformado numa mulher. Ela riu de meu silêncio repentino.


- Tudo bem, Ti?


- Ah, sim - eu disse, parecendo um completo idiota. - Só tava tentando lembrar da última vez que a gente se viu. Dois anos?


- Quase. Dois e meio.


- E você continua mais perfeita do que eu imaginava antes.


- Ah, para, Tiêgo, assim você me deixa encabulada. E juro que se não fosse você, eu ficaria com raiva.
Eu juro que fiquei pensativo, ela nunca tinha dado essas indiretas pro meu lado.


- Isso foi uma indireta? - perguntei, já com alguma expectativa.


- Encare-a como quiser - respondeu ela , sem mais delongas, e se aproximando ainda mais de mim, devagar.


- E desde quando você usa os pronomes corretamente?


- Desde que percebi que para consertar erros passados , é preciso consertar o presente.
Nossa. Pairou um silêncio modorrento entre nós, até a hora em que ela puxou de dentro da bolsa um pedaço de papel rasgado escrito algo em uma letra bem caprichosa.

- Olha, esse aqui é meu endereço. Se você quiser me visitar, vai lá, vou adorar te ver de novo! Aliás, não é tão longe daqui, aí qualquer dia desses você aparece lá pelo meu apê. Sim, tô morando só também!

- Nossa, Isa, que legal! Pode crer que eu vou dar uma passada lá - eu disse, dando uma conferida no papel. Percebi que ela não tirava os olhos de mim. - Você quer entrar?  - convidei, sem pensar.

- Ah, queria poder, mas não vai dar, tenho um monte de coisa pra fazer e tal... Mas você jura que vai continuar gostando de mim apesar de tudo que eu for fazer agora?

Eu não tinha entendido nem metade do que ela estava falando. Isadora nem esperou a resposta quando fui pego muito de surpresa por um beijo, pelo beijo que eu havia esperado por mais de um ano e meio, forte, quente e envolvente. Não quis fugir, claro, iria aproveitar ao máximo aquele momento, mesmo com o movimento de seis horas da tarde, gente subindo e descendo do elevador num domingo de calor intenso. Entreguei-me àquele beijo, como se aquilo fosse meu último ato na Terra. Mas uma frase dita pela voz que, na realidade eu estava esperando, cortou todo o clima de romance que poderia existir ali:

- Mas o que significa isso, Tiêgo ?! -  perguntou Bruna, prestes a cair no choro só por causa da tonalidade de sua voz. Parei o beijo de má vontade.

- Deixa eu te explicar tudo,  a I... - fui interrompido pela pergunta de Isadora que viria mais cedo ou mais tarde.

- Quem é ela?
Juro que a vozinha inocente dela quase me faz pular de volta em seus lábios, mas mais uma vez a razão falou mais alto.

- Calma, Isa, deixa eu explicar, essa é a...

- Namorada dele , se você não se importa, garota! - replicou Bruna, irritada.
Eu queria dar um basta na situação, mas ainda tinha a ingenuidade no sangue.

- Você tem namorada, Ti? Porque não disse antes? - perguntou Isadora, parecendo um anjo meio abatido após um queda.

- Não, não ! Gente, me deixem explicar! Por favor! Já chega dessa situação, chega! Querem que eu explique ou não? - exigi, enraivecido com essa história.
 O corpo de Isadora girou automaticamente para a porta, me pegando totalmete de surpresa.

- Eu acho que é uma ótima hora para conhecer suas novas instalações - disse ela, sorrindo, como se nada estivesse acontecendo. Não pude conter o riso. Bruna me fuzilou com os olhos.

- Vou entrar também, quero saber que palhaçada é essa - disse ela, já mais calma. Assim, pude enfim lembrar de toda a nossa noite na micareta e tudo o mais. Ela batia de frente com Isadora no quesito beleza, as duas eram lindas demais. Entrei no meu apartamento, já prevendo que lá estivesse pairando o maior climão.
Mas não estava.

Isadora estava sentada um pouco longe de Bruna, a dois pufes de distância. Previ qeu deveria me colocar no meio, já que havia espaço suficiente para mim ali. Comecei devagar, contendo as palavras:

- Bem, Isadora, esta é a Bruna, com quem... - interrompido de novo.

- Ficou a noite inteira, na micareta da Ivete - completou Bruna , sorrindo maliciosamente.

- Bruna, não complique mais as coisas - apressei-me a dizer, já que Isadora tinha os olhos marejados. - Isa, sim, não vou negar, ficamos na minha 'festa de comemoração' dos meus dezoito anos sim, já que queria dar um basta nessa história de não pegar ninguém e tal. Aí hoje ela viria aqui para que a gente pudesse conversar mais calmamente sobre a noite de ontem e aí... - interrompido pela décima vez.

- Aí eu chapei um beijo na boca dele - completou Isadora para meu desespero.

- Não precisava completar , Isa , não querendo dizer que foi mentira.

- Sim, eu vi! - protestou Bruna. - Seu cara-de-pau, safado! Porque fez isso comigo?

- Bruna, eu não pude evitar! Mas já que você falou, eu sou o safado, o cachorro, o galinha da história, que merece ser chutado pelas duas sem dó nem piedade por tê-las feito passar por todo esse constrangimento.

E como se parecesse brincadeira, as duas riram e, uma vez sérias, perguntaram em uníssono, como se tivesse sido ensaiado:

- Pois então escolhe, ou ela ou eu!

Eu havia me metido numa grande encrenca.








[Quer saber o fim da história? Fica ligado aqui pois quando menos esperar você saberá com quem eu ficarei!]
[Ps: Desculpem pela ausência horrorosa. Semana pesada de amostra cultura na escola, muito trabalho e nada de tempo pra sobrar! Entendam! Desculpem mesmo.]