quarta-feira, 3 de março de 2010

C-I-L-A-D-A.COM

Já era tarde e eu não tinha noção da hora. Não haviam postes acesos na rua e muito menos policiamento naquela região. Tentei sair por outra rota, mas não consegui. Eu devia mesmo enfrentar aquele escuro, aquele breu que dava arrepios. Era como um cão que havia perdido o olfato e a visão. Eu era um grão de areia perdido naquela praia imensamente negra e tenebrosa. Uma rua nunca me pareceu tão imponente e difícil de ser atravessada como aquela. Entretanto, eu não tinha escolha: para alcançar o que queria, era obrigatório que eu passasse justamente na avenida mais obscura de todo o bairro. Justo nela.

Mergulhando naquela escuridão, rapidamente fui surpreendido com um vulto alto e escuro, que apagou o último vestígio de luz que restava no final da avenida. Minhas articulações pararam na hora e apenas um segundo após o desligamento da luz, o vulto me segurou por trás. Eu me debatia com força, mas ele parecia mil vezes mais forte e rígido. Meus ossos pareciam estar sendo feitos em pedaços e uma ruptura se abria no meu peito. Meu sonho de chegar em casa e ligar para o amor da minha vida que chegava naquela sexta-feira, treze de novembro, estava acabando mesmo antes de começar. Não tinha ideia de quem era o vulto ou o quê ele era. Só sentia que seus braços me quebravam os membros. Nem a respiração dele eu sentia. O último movimento que pude conferir dele sobre mim foi um toque com três dedos, quentes a ponto de queimar, em meu ombro. Depois daquilo, meus joelhos se dobraram involuntariamente e caí, exatamente no meio da rua.  O homem havia ido embora. O vulto não havia levado minha mochila, nem minha carteira, nem meu celular. Ele queria alguma coisa que eu não portava. Eu senti isso. Ele procurava alguém. Algo que estava dentro de mim que não seria removido com facilidade. Aquela cilada armada para mim não havia sido por acaso. Eu tinha sido morto por um vulto totalmente escuro e sem olhos. E sem alma.

Recordo-me somente de luzes fortes e incandescentes piscando sobre meus olhos. Eram tão intensas que minha cabeça chegou a doer. Não era por acaso, eu sei disso. Carros passavam sobre mim, e ninguém se dava conta do que acontecia. Eu, muito menos. Até que um garotinho acompanhado de sua mãe, apontou para a árvore acima de mim. Havia algo ali. Eu não percebi, mas a marca dos dedos do vulto no meu ombro me fez despertar. Ou pior, me fez morrer de vez.


Ele havia roubado minha alma!




Pauta para o Blorkutando - 75ª Semana - C.I.L.A.D.A .

***

Olá, gente! Que saudade daqui, vocês não tem noção.
Quando postei este texto, estava em cima da hora e tive que correr contra o tempo! Mas consegui escrever, improvisadíssimo, e arrumei tempo pra contar as novidades pra vocês!

Nossa, o terceiro ano tá de tirar o fôlego! Trabalhos, avaliações, pesquisas, e mimimi. Um monte de coisa pra gente não descansar mesmo! Já até me perguntei se na faculdade é assim. Se for, que seja! Já suportei coisa pior.
Ainda na escola, teve gente me irritando. Odeio gente que me irrita sem motivo. Mas já acertei os ponteiros e tá tudo bem.

No amor: tô feliz. Me acertei com R. e a gente tá de boa! Me desejem sorte desta vez! Vou precisar bastante! Nunca fui muito sortudo em minha vida amorosa. Tô cheio de expectativas!

E acho que dessa vez não rola pódio no Blorkutando. Improvisar não é meu forte.



E até segunda-feira, quando postarei, provavelmente, mais uma singela homenagem à maioria de meus leitores: as mulheres.

Beijos, abraços, e juízo no fim de semana!

9 pseudocomentaram:

Tata disse...

Nossa. Esse seu texto ficou forte, né? Medo.. UHAHUASHUASHUAS
Tá muito bem escrito, parabéns! \o/

A!!ªN disse...

noss
Legal gostei do estilo do texto..

Ross Diniz disse...

Q tenso... bom texto!
^^

http://tagsdisney.blogspot.com/

Ana Carvalho disse...

=]
bacaníssimo

Vanessa disse...

Rapaz, você tem talento também para textos de terror hahaha Teeenso! Meedo!

(www.caixinhadeopinioes.zip.net)

James Pimentel disse...

na faculdade é assim sim amigoooo..
hmmmmmm "R"? Roberta, Ronara, Ramona, Raiza, Raquel? kkkkkk
boa sorte cum a gata cara, abraçosssss
Se for de Deus que ele abençoe isso!

Ana Carvalho disse...

ladrões de alma.. o jeito de dete-los é ficando sem alma..
mas quem quer ser frio o tempo todo?

Daniela Filipini disse...

Nossa, que ótimo *-*
Você escreve muito bem! Parabéns! :)

James Pimentel disse...

Eu nem acreditei quando eu vi sabe? uahsuahsuhashash
vlw a força Tiêgo!!!!!

Ah, obrigado pela moral no meu blog, vlw de coração!