quarta-feira, 21 de abril de 2010

Censure, se for capaz.


Mesmo com toda a liberdade de expressão e a era digital que chegaram há quatro décadas atrás, ainda nota-se o uso frequente da palavra censura. Mas, com todas essas modernidades com as quais convivemos, ainda existe mesmo a censura? Será que ainda há a imposição do silênco em situações revoltantes, como no período da Era Vargas? É lamentável dizer, mas há sim a presença da censura em diversas situações que, muitas vezes, passam despercebidas sobre nós.

Em países de alto nível tecnológico e digital, como a China, percebemos com evidência a proibição em meios de comunicação bastante utilizados; dentre eles, está a internet. Restrição para ver sites americanos, restrição pra isso, e pra aquilo também. Todos hão de concordar que não há cabimento na colocação da censura em um país com tal poder e influência cobre os demais e que necessita de um amplo e ilimitado local de navegação mais do que qualquer outro lugar. Aqui mesmo, no Brasil, há páginas na internet que não mereciam ser censuradas, por fazerem parte da história mundial – como as que falam sobre Adolf Hitler. Até no carnaval, que é a festa mais liberal de todo o calendário, houve a censura, esse ano, de um carro alegórico que iria mostrar o Holocausto. Como se isso fosse interferir as pessoas de alguma maneira de praticar atos tão ou mais grosseiros do que foram praticados.

Além disso, podemos também ver que a censura está presente na televisão aberta, outro fator que precisa ser colocado em xeque. Crianças veem outras crianças na novela das oito e acreditam que é a coisa mais normal do mundo. E logo pensam que irão encontrar coisas inocentes, como desenhos animados. O símbolo de + 14, + 12 está ali, do início ao fim da programação, e não impede os menores de assistirem beijos ardentes, sexo não-explícito e assassinatos, que acabam causando um impacto ainda maior do que causaria em um adulto. Não é nem uma questão de censura, muito menos de quem elaborou a programação da TV. Vai das escolhas e da consciência de cada um – consciência esta que anda meio sumida das mentes humanas nos dias de hoje.

Tentar calar, silenciar, oprimir o que o outro tem a mostrar ou a falar não me parece muito certo. A liberdade que chegou há quatro décadas atrás já deixou bem clara a sua intenção: “façam o querem e o que puderem”. Se a censura já teve seus momentos de ascensão, hoje já não está mais tão em evidência. É, era digital, tenho a leve impressão de que você marcou um ponto.



Pauta para o Blorkutando – 82ª Semana : Censura.



***


Oi gente!


Vocês devem estar querendo me dar uns socos por eu não ter atualizado antes. É que as ideias (sem acento) só fluíram agora e, com toda a certeza, vieram pra ficar. Sexta-feira posto a resposta do Bernardo pra carta da Sophia (lembram?), sem falta.
Minha “semana” foi curta: tive dois dias de aula e uma prova em cada um dia. Tirei dez em português, levei bomba em história, Tô relax em biologia e ainda não tive a nota de literatura, nem de espanhol, nem de educação física. Mas acho que vou passar, sim. Estão superfáceis! Mas história tá complicado. Tive que fazer a reavaliação. E tô esperando ansioso a nota. Não quero repetir o feito de tirar nota vermelha (!). É desastroso e vergonhoso.
W. tá me matando de saudades. Fazem quase duas semanas que não nos vemos. Quase um século pra mim. Meu amor só aumenta a cada dia que passa. Aquela pele branca, aquele sorriso desestruturador, aquele olhar que faz minhas pernas tremerem... Ai, como é difícil ser eu! Hahaha (momento Mia Colucci #desenterrandoopassado.)
Tô tão feliz com o Twitter! Meus seguidores tão aumentando consideravelmente; e eu tô ficando mais contente comigo mesmo consideravelmente! Haha!
E eu preciso dar mais uma pesquisada sobre Asher Book – o Marco, do filme Fama e vocalista da banda V Factory, que estremece meu coração J - e sobre Willian Barbier – o Alê, de Malhação. Cara, que estilosos, que perfeitos, que incríveis! Alguém pode mesmo ser tudo isso? Só a Lady Gaga mesmo! Haha
Tô livre pelo resto da semana, porque Tiradentes é o patrono da minha escola e sexta-feira vai ter uma ação social. Enquanto isso, os alunos vão ficar dibob esses três dias. Não é demais?
Ah, pra quem não gostou nada de eu ter bandeado pro lado dos VDG, explico: não consegui evitar. Eles foram capa da Capricho duas vezes, conheceram as pessoas que eu mais sonhei conhecer, tiveram sucesso sem o menor esforço... A inveja que eu tinha se transformou em admiração. Só isso. Mas antes deles, muito antes deles, tenho pessoas muito especiais e lindas que me conhecem e me aceitam mais do que ninguém: vocês, leitores. Sem vocês, eu não seria nada e não teria alcançado a marca de 100 postagens! Obrigadão, de coração, mesmo!

E emocionado, concluo esse post tão especial e nem tanto comemorativo, pois “é das simples coisas que nós devemos esperar grandes resultados”, já dizia alguém desconhecido.


Pra vocês que me amam,

5 pseudocomentaram:

jefhcardoso disse...

Olá Tiego! Esta semana estou divulgando uma “nova” postagem. Trata-se de um conto; que na verdade vem a ser uma reedição de meu blog. Sua postagem original ocorreu em 13.02.09; sendo esta a minha terceira postagem no blog. Naquela ocasião este texto não recebeu nenhum comentário. O texto é “O Sr. e o Dr.”. Espero que você, tendo um tempinho, o aprecie.
Um grande abraço, minha gratidão antecipada!

Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

@_jotaerre disse...

Olá!
Mega adorei o seu post, cheio de críticas!
A censura existe desde que o mundo é mundo, e puxando o assunto para o lado LGBT, temos censuras para coisas ridículas, que ainda são tabus de uma sociedade deficiente de educação cultural. Um beijo gay, por exemplo, já foi muito censurado (exemplo da novela América, I think) que proibiu o beijo gay do Bruno Gagliasso.
Enfim, continuamos lutando contra a censura, que também atingiu o jornalismo na Ditadura militar e hoje em dia atua silenciosamente nos veículos de comunicação devido ao conceito de "informação como mercadoria". Quem paga mais, tem suas propagandas veiculadas e, principalmente na política, seus "bons atos" são mostrados por quem paga mais. É uma censura escondida.
Quem nunca se perguntou porque os principais candidatos (principais porque são os que os veículos de comunicação mais mostram) têm mais tempo na propaganda do que outros que (para eles) não são tão populares?

Fica a dica.


Abração! Parabéns.

A!!ªN disse...

Cara só você mesmo consegue falar com tanta facilidade sobre um assunto tão complexo. Cara eu estava pensando justamente na China, lá deve ser tão ruim, agora concordo com o que você disse, cada um escolhe o que quer ver, e os pais devem escolher o que seus filhos menores veem na Tv e em tudo mais. Parabéns e boa sorte nas provas acho que você se dá bem tem um "Q" de inteligente.

Jeniffer Yara disse...

Amei o texto,concordo com tudo o que disse sobre a censura! Parabéns pelo blog! E boas notas nas provas viu?!Eu até gosto um pouco de história,então não tenho risco de tirar notas baixas,o que pega pra mim é física e química mesmo! Argh! rs'

Bjs!

Mariana Amorim disse...

A censura existe. Impiclíta ou não,não há como escapar dela