sexta-feira, 3 de setembro de 2010

La vie ce n'est pas vraie.



A vida é uma grande mentira.

Resolvi começar o texto com essa afirmativa porque acredito que, assim como eu, você também já foi uma grande vítima de falsos testemunhos, mentiras grotescas ou sinceridade camuflada. Não podemos mais confiar inteiramente em ninguém. Por vezes deixei de acreditar na verdade para ficar encantado pelo sedutor universo de alívio (ou satisfação, por mais absurdo que possa parecer) que a mentira nos leva. E a vida nos ilude de forma mágica, fazendo-nos cair numa armadilha planejada perfeitamente até o ponto em que passa a ter falhas propositais. Falhas estas que conhecemos basicamente como mentiras, ilusões, traições ou seja lá qual definição você quiser dar.

Eu minto, menti e mentirei. Minto para fugir de certos convites no mínimo embaraçosos ou para explicar a meus pais porque cheguei tão tarde da balada naquele fim de semana incrível das férias. Minto para aquele colega de turma insuportável que quer as respostas do trabalho sem ao menos nem me dar um oi ao chegar na sala. Minto até em histórias sobre meu passado, já que muitas vezes elas caem em esquecimento e ele faz com que eu imagine uma situação parecida para encobrir a esquecida. Mentir faz parte da nossa rotina, por mais que tentemos escapar dela. É um ato que é praticado sem que haja um real consentimento de si próprio. É uma ação que provoca péssimas e trágicas reações. Ato inconsequente? Talvez, dependendo do contexto no qual você inserirá-la. Mas vejam bem, eu não estou incentivando vocês a mentirem só porque é algo corriqueiro e supostamente 'normal' em nossas vidas!

Há todos os tipos de mentirosos possíveis: os que mentem para se salvar - como eu -, os que mentem para se autoadmitir num grupo, os que inventam histórias para se sentirem superiores, os que mentem compulsivamente e até os que mentem compulsivamente por prazer! Recentemente tive um sério problema com uma "amiga" que mentia sem parar e que me colocou numa saia justíssima: ela disse para o namorado que eu estaria com ela fazendo um dever de química quando na verdade ela o traía com outro. E nem eu nem o namorado dela tínhamos ideia do que ela fazia. No fim das contas, a C. ( minha "amiga") mentiu tanto que o namorado, eu e toda a galera descobriu. Ela mentiu para cobrir as outras mentiras já contadas e acabou enroladas nelas próprias, e a C. ficou sem ninguém que confiasse nela. Aliás, e dá para confiar em alguém quando se fala em uma sociedade que é, por si só, bastante hipócrita?!

Portanto, com todos esses argumentos e fatos verídicos relatados conclui-se que a mentira não leva a lugar algum, mesmo que você consiga prolongá-la por um tempo. O ditado está aí para não nos deixar mentir (!) : mentira tem perna curta.
Pauta para o Blorkutando - 101ª Semana : Mentiras.

8 pseudocomentaram:

Italo Stauffenberg disse...

mentira é um caminho sem volta!

Natália disse...

Mentir pra quê? Se podemos falar a verdade! bj

Jota disse...

Contraditório, mas, verídico!
aushushashahs :D

Francisca Nery disse...

Eu já menti para poupar pessoas queridas e não me arrpendi. Já menti pouca coisa e virou um grande problema. Sempre tento usar e abusar da verdade... Penso que com ela não há erro. Ótimo texto!

Allan disse...

odeio mentir e as mentiras consequentemente...

pra que mentir? é ridículo conheço gente que de mentir tanto pegou mania de mentir, mente até o que jantou! eu finjo que acredito e a pessoa pensa que eu acreditei!

tudo bem que muitas vezes precisamos omitir, mas mentir não é uma boa saída...

' Jαdє Amσrιm disse...

Tenho mentiras que ninguém nunca descobriu. E elas já tem anos, mas mesmo assim não valhe à pena.
Só não podemos mentir por maldade. =D

Beeijos!

Lucas Rolim (: disse...

caramba, vc escreve beem viu?! pode crer, gostei do texto, vc merece ;)

Jeniffer disse...

Concordo com você!Mentir é algo inevitável ás vezes,mas dependendo do contexto,ela é desnecessária,prejudicial e totalmente desconcercante.

Boa sorte da disputa do Blorkutando,seu texto tá muito bom!

Beijos.