segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Crescendo e aprendendo

Não consigo lembrar-me de momentos mais confusos e instáveis do que os que vivi antes da pressão do vestibular. Mas essa explosão mental na vida dos hormônios pulsantes não começa ao início do ensino médio como todo mundo, inclusive eu, pensa. Pelo menos comigo começou muito antes disso. Desde a primeira série quando apertei o start na minha vida escolar, os fantasmas e monstros do nervosismo e da falta de confiança me assombram. Já cheguei a ficar encolhido em um cantinho escuro nos banheiros pavorososo dos colégios onde estudei para chorar, com medo dos colegas mais velhos que tinham por obrigação judiar dos mais novos, quase sempre indefesos e frágeis.


Aquilo tudo só acontecia quando parecia que minha vida iria engrenar. Nunca tive problemas com a matemática, nem com a língua portuguesa, nem com as ciências. Porém, esta inteligência de nada valia nos momentos em que as bolinhas de papel cheias de corretivo me atingiam o rosto ao passar no corredor na hora do intervalo. Fui fraco em alguns momentos, confesso. Mas nada foi melhor do que a volta pro cima. Ah, como foi bom provar para todos e para mim próprio que eu era capaz de superar e romper barreiras!


Eu cresci. E com o tempo, vieram experiência de vida, alguns centímetros a mais e um pouco de responsabilidade. E ok, eu preciso admitir que também houveram quedas no meio do caminho e algumas vergonhas também vieram de bônus. Crescer como homem e como pessoa mostrou que simples bolinhas de papel não nos atingem quando podemos calcular raízes quadradas e escrever longas dissertações.


A não ser que as bolinhas de papel meladas de corretivo atinjam a cara de um menino chorão. Mas isso aí é outra história.


***

Ooooooi, crianças! Sou tão descarado, levei um ano pra postar e no PS venho todo cheio de nhém-nhém-nhém. Perdoem-me pela demora, se eu tenho ideias e escrevo, os textos somem D: Ou o Blogger não colabora, assim como minha internet LIMDA /ironiafeelings. Quero que saibam que estou bem, super concentrado no vestibular e muito apreensivo pra essa segunda fase da UEAP. Preciso de 26 pontos do total da prova mais a redação pra passar, mas aí tem a minha idade pra cagar tudo. Odeio esse critério desonesto de seleção. Deviam dar prioridade pros mais novos, oras! Sem preconceito com os velhos, claro. risos safadinhos. |  O texto acima foi uma narração em primeira pessoa que fiz no cursinho sexta-feira, aí melhorei em casa. Tá até combinando com meu estado de espírito, olha. hahahaha | Enfim, voltarei logo. Tem feriado e logo voltarei a postar. Acho que terei MUITAS novidades quando voltar definitivamente das provas. Vai ser uma experiência e tanto. MAZENFIM, pra isso preciso curtir um pouco a vida e descansar. Amanhã tem minha festa de formatura do 3º ano e na quarta a confraternização com a galera do meu grupo fabuloso e divo que tive o luxo de adentrar. Vou viver a vida e ser feliz um pouco que ninguém vive só de neuras e é de ferro.

Do seu amante e amigo,

2 pseudocomentaram:

Jeniffer Yara disse...

Ah Ti que linda narração *-* E sabe,tudo vai dar certo lá na prova,e é,você precisa mesmo relaxar,eu também,mas preciso também correr atrás de dias que fiquei sem estudar!rs

Beijo

Natália disse...

Uma narração perfeita *-*

É a vida é assim mesmo, são bolas de papel ou então bolinhas minusculas molhadas na saliva e arremessadas por caninhos de canetas bics, nos outros é claro. Nunca fiz isso em ninguém e nunca fizeram em mim. Colégio, ainda mais no Ensino Fundamental, parece mais um campinho de guerra do que verdadeiramente uma escola, um ciclo de aprendizagem.

Divo, parabéns pelo amadurecimento :D

Beijo e arrasa meu bem!