domingo, 16 de janeiro de 2011

Sobre a tragédia no Rio e em São Paulo




De Macapá, Tiêgo Alencar.


Chuva. Uma palavra, cinco letras e um significado estrondoso para os moradores dos munícipios devastados pela tempestade dos últimos dias que afetou, principalmente, São Paulo e Rio de Janeiro. Já passa de 550 o número de mortos e os prejuízos continuam incalculáveis. Famílias destruídas, sonhos interrompidos e resoluções de ano-novo completamente levadas pelas águas impiedosas. Desespero, dor, agonia, sofrimento. A primeira quinzena de 2011 foi marcada pela fúria da natureza, que cada vez mais se mostra revoltada com a não cooperação do ser humano para com ela.

Existem especulações sobre o que poderia realmente ter causado o desastre, mas acredito que nenhuma delas consiga explicar o que aconteceu. Afinal, não foi nem uma nem duas horas de chuva, e sim dias e dias. Passado o pior (até este momento), as famílias tentam se reerguer com o pouco que conseguiram salvar e com a ideia de viver pelos parentes que morreram soterrados. Muitas crianças acabaram se tornando orfãs. Pais sem filhos, mães sem esposos, avós sem netos, sobrinhos sem tios. Esta é a triste história do que aconteceu nestes dias tão tenebrosos.

Com tudo isso ainda pode aprender em uma lição boa que a tragédias nestes estados nos explicou: a solidariedade. Assim como no terremoto do Haiti ano passado e nos deslizamentos de terra também na cidade maravilhosa em 2010, vemos que a vontade de ajudar o próximo, o desejo de ver que uma família não será perdida e que esperanças de viver ainda podem ser mantidas ainda existem no coração de brasileiros e brasileiras que assistem a cada instante agoniante destes desastres naturais com o coração na mão, querendo ajudar, querendo colaborar com quem perdeu tudo. Ninguém consegue ficar calado ao ver algo assim acontecendo. Nestas horas, o que menos precisamos é de sensação de impotência. Seja estando no norte ou no sul, o espírito de ajuda toma conta de todos nós em momentos como este. Já me mobilizei para ajudar, mesmo que pela internet e pelo telefone. Espero que você se conscientize que a hora de ser solidário é agora. Imagine cada história interrompida, cada sonho despedaçado, cada laço de união desfeito e pense como se fosse com você. Vamos nos juntar numa corrente só pela recuperação das pessoas que sobreviveram à força da natureza.

Para tudo existe uma solução. É hora de se mexer e ajudar como puder. Pessoas precisam da sua ajuda. Da minha ajuda. Da ajuda do mundo inteiro.


******

Oi, crianças!
Fiquei sensibilizado com tanta destruição, tanta tristeza e infelicidade das vítimas das chuvas em RJ e em SP e tive que escrever sobre isso aqui. Espero que tenham curtido, fiz uma espécie de artigo de opinião com argumentação, nem eu entendi direito, mas enfim. Vou parar por aqui que só de lembrar daquilo m dá vontade de chorar.

Do seu escritor-aspirante,

Tiêgo R. Alencar.

5 pseudocomentaram:

Natália disse...

Desculpa, mas esse assunto me deixa tão triste e impotente por não poder fazer nada por aqueles que precisam tanto nesse momento que não consigo nem dizer muita coisa. Desejo apenas que eles ergam a cabeça e continuem a viver, por mais dificil e doloroso que esteja esse momento de sofrimento. Não está morto quem peleia.

Beijo

Jhenni Costa disse...

Seja com alimentos ou com palavras que possamos todos ajudar e não nos deixar levar pelo sentimento de impotência só por morarmos na ilha lost -Q
Adorei o texto.

Abraço

Ps.: Desculpa excluir o comentário anterior, na hora do enviar deu erro ._.

Lαís Pαmelα :) disse...

Eu não sei se devo chorar ou se devo sorrir pelos sobreviventes. É tanta dor que esta transbordando dentro de mim, mas como diz meu Caio F. sobre todos aqueles que ainda continuam tentando, Deus, derrama teu Sol mais luminoso.
Tudo dará certo, sim.
Beijos.

Edy Santos disse...

Ótimos post, espero realmente que esse sofrimento acabe logo.

@_jotaerre disse...

Terrível. Simplesmente não dá pra descrever o que nós sentimos nem o que eles devem estar sentindo, o que sabemos, é que é muito triste.
Como jornlalista, acompanhando todos os dias novas notícias, fico cada vez mais chocado.
Espero poder ajudar, com o pouco que posso. Vontade não falta, acho que todos devem pensar assim.