sábado, 26 de fevereiro de 2011

Se a minha vida fosse um filme…



… aposto como seria um sucesso! Teria drama, daqueles que a gente se joga no sofá felizda vida e levanta dele com a cara mais inchada do que a de um baiacu, de tanto chorar. Acho que eu daria um belo ator de drama. O que não significa que eu não saiba sorrir! Meu livro teria muita comédia, daquelas que mesmo quando acaba, você continua sorrindo, gargalhando, gargalhando, rindo alto. Faria questão da presença do humor (negro, sarcástico ou o que for) neste filme. Do mesmo jeito que eu faria questão de um romance no meio da história. Teria vários amores reprimidos, platônicos, e impossíveis. Até que eu encontraria aquela pessoa que poderia estar matando, roubando ou vadiando mas que preferiu ficar comigo até o final feliz ter um fim (?). Se a minha vida fosse um filme, com certeza teria muitos closes em papel, caneta e tinta, com histórias inacabadas, contos mal tecidos e textos desconexos, porque eles me ajudaram bastante a crescer, tanto como homem quanto como escritor. Sonhos, objetivos,  música e o céu. Guerras imprevisíveis com meu próprio ego, desejos latentes e indecisões. O filme da minha vida mesclaria um pouco de tudo. Da mágica de Harry Potter até as emoções à flor da pele de O Segredo de Brokeback Mountain. E quem sabe também não ter os elementos cômicos de Todo Poderoso? Enquanto ainda não dá pra produzir tão fácil o filme da minha vida, já estou idealizando o projeto. Porque afinal, pelo menos uma vez na vida a gente precisa ser o centro de algo. Mesmo que seja só no pensamento de um filme bem louco – que perto da vida não tem nem metade da insanidade.






Era pra ser uma pauta para o Blorkutando – 126ª Semana: o filme da minha vida.




***


Oi, crianças!

Demorei aparecer por aqui pelo PS, mas vim. Eu devia ter postado esse texto ontem pela noite, MAZAÍ aconteceram uns imprevistos. E como eu sou o rei do imprevisto… não postei. Não quis me demorar no texto porque né, sei que vocês não leram nem metade dos meus argumentos de ódio da Vivo do post anterior porque o texto só de olhar dava medo pelo tamanho, até eu me surpreendi quando vi. PORÉM VAMOS VIRAR ESTA PÁGINA porque eu sou um divo e divos não guardam rancor de nada.
Nem cheguei a falar pra vocês, tem post novo meu no O Quanto Quiser! CORRAM!
Ultimamente tenho estado numa inspiração pra escrever que vocês não fazem ideia. Só que a bola da vez são contos! E eles tem ficado bastantes (me corrijam se eu estiver errado, mas ano passado aprendi que BASTANTE concordava em gênero e número SIM! Smiley surpreso) grandes, pra variar. Não postarei aqui, até porque tem umas coisinhas impróprias(Diabo) para o horário, risos. Quem sabe quando eu for um escritor bem conhecido, hein?
Ainda sinto dores, por incrível que pareça Smiley chorando. Só que a dor do dente foi para os gânglios e agora eu sinto uma dor malditíssima na hora de engolir alguma coisa. QUEM ME RECOMENDA UMA BENZEDEIRA DAS PODEROSAS?

Acho que é isso, bebês. Meu PS tá ficando especialista em superar meus textos em tamanho e eu quero parar com essa mania feia. Nos vemos logo mais!

Do seu escritor-aspirante,

2 pseudocomentaram:

Francisca Nery disse...

Vou fazer uma crítica, posso? Sua escrita melhorou muito desde quando comecei a ler seus textos. Não que eu seja uma entendedora, mas como uma grande amiga da Gramática, devo informa-lo que dá pra perceber um aperfeiçoamento (; Parabéns, querido!

Erica Ferro disse...

Cara, acho que eu sou tão melodramática, que minha vida poderia ser facilmente uma novela mexicana. Filme é pouco! HAHAHAHA...

Sobre o PS, tá ficando mestre em fazer PS's imensos como eu, hein?
Aliás, eu parei com isso há tempos. =p

Beijo, Tiêgo.