sexta-feira, 18 de março de 2011

Ma musique parfaite

 

Ah, a música. Desde pequeno sempre fui louco por música. A melodia, a harmonia, os vocais… Tudo me era mais do que sedutor. Naquele período, eu poderia sem medo me considerar eclético, musicalmente falando. Porém, fui crescendo. E à medida que ganhava centímetros, meu gosto musical ia se afunilando cada vez mais. Excluí pagode, tecnobrega, calypso (sim, eu ouvia tudo isso) da minha playlist. Até que cheguei ao ponto de ter certeza do que gosto e do que não gosto.

 

Neste momento, estou escrevendo inspirado pelo estilo pop. De longe, é meu favorito – o que não me impede de curtir rock, folk ou indie. Ouvir Mika, Lady Gaga, Fergie, Rihanna ou Céline Dion me inspira. Principalmente naqueles momentos em que eu não tinha de onde tirar a essência para meus textos. E acredito que a música perfeita para mim seria neste estilo. Nada me motiva mais a escrever d que a música pop. Consigo encontrar a palavra exatas tanto em “Quelqu’un m’a dit” da Carla Bruni quanto em “Comment te dire adieu”, performizada pelo Mika. É quase inexplicável! Simplesmente existe uma conexão entre mim e as canções que tanto me inspiram!

 

Com essa conexão, ficaria bem mais fácil compor uma música legal, daquelas que você ouve uma vez e não se esquece nunca mais. Minha música falaria de amor, de uma forma bem alegre (e sem um pingo de “vou-cortar-meus-pulsos”, lógico"). Falaria de amizade, da beleza da vida. Das melhores cores e das delícias de surpresas que que o destino nos reserva. Comporia sobre o céu, o mar, a lua e as estrelas. Minha canção poderia facilmente ser taxada de “sem organização”, mas acredito que eu não ficaria satisfeito falando ou só de amor, ou só de amizade, ou só das belezas da vida. Mesmo que a música virasse uma redação, já estaria feliz só por ter a certeza de que havia escrito algo com o qual as pessoas iriam se identificar! Porque afinal, a música foi feita para fins identificativos, não é mesmo? E é impossível não se achar na letra da sua canção favorita cantada pelo seu ídolo!

 

Minha música poderia nem ser tocada nas rádios, mas para mim bastaria se ela mexesse com você. Do brega ao pop, tem sempre alguém gostando, não é? Então para quê se preocupar? Vamos ser felizes com as músicas das nosas vidas, do jeitinho que elas forem!

 

 

Pauta para o Blorkutando – 129ª Semana : Minha Música

***

LUTO OFICIAL: ACABOU TITITI.

 

Do seu escritor-aspirante,

 

Tiêgo R. Alencar

8 pseudocomentaram:

leilaklb disse...

Ai Tiêgo, eu adoro música é algo sem o que não poderia vive (acho)

Thairane Nascimento disse...

Eu Tenho música comigo do momento que eu acordo ao momento em que vou dormir Sinceramente, não poderia viver sem.

Boa sorte no BK.

E você, já começou a estudar?

Bianca disse...

Também sempre tive essa vontade de compor uma música. Música é retrato, terapia e ainda por cima é eterna! O maior exemplo disso é Michael Jackson, mas quantas vezes não nos pegamos resgatando uma música de mil novecentos e bolinha e bate aquela identificação, não é? :)

Kamilla Barcelos disse...

Sou da opinião que passamos por processos para criar um tipo de música que gostamos. É super válido passar por calypso para descobrir que não é de seu gosto.

Edy Santos disse...

Também sou louco por música, é uma terapia, uma válvula de escape.
Ouço rock, pop, folk e um pouco de rap. (Mas tb tenho um passado que me condena. musicalmente falando) Como você disse, vamos afunilando nossos gostos com o tempo.

Pâmella Ferracini disse...

Que incrível, amei seu estilo de escrita. A proposito, também amo cartas,vi o post abaixo.
Seguidora numero 100 \o

Bom domingo, (:

Jota disse...

Gente, não há como negar: tudo gira em torno da música!

Saia logo desse luto, rum!

Nath disse...

Música é vida
talez a melhor extração da natureza feita pelo homem (:

ompartilho a sua dor pelo luto .-.