terça-feira, 2 de agosto de 2011

Considerações sobre um sumiço (necessário)

Acho que antes de começar o post devo um pedido grandão, do meu tamanho, de desculpas. Eu deveria ter postado na sexta, no sábado e no domingo, inclusive tinhas pautas planejadas e tudo, escritas quarta-feira passada. Mas vocês não fazem ideia do que me aconteceu esses dias. Foram dias loucos, foram dias diferentes, foram dias que me mostraram que eu posso ser uma pessoa melhor, independente de como eu for. Enfim, se acomodem, fiquem todos lindos onde estiverem porque lá vem história!

Nesse final de semana, participei do EJC – Encontro de Jovens com Cristo –, promovido pela igreja Assembleia de Deus aqui da minha cidade. Eu não sou evangélico, sou católico, e por isso fiquei bem receoso quando recebi o convite para o encontro, vindo através da minha tia, a única da família que faz parte dessa igreja. Pois é, na semana do encontro, mais especificamente na terça-feira, conheci meus “pais adotivos”, que foram uma espécie de preparadores para o que viria no encontro. A gente tem que tratá-los super igual como tratamos nossos pais, de tomar a benção e tudo, chamar de pais… Estranhei UM BOCADO, really. Senti como se aquilo não estivesse certo, como se eu estivesse numa situação onde não deveria estar. Mas por incrível que pareça, gostei da coisa. É, é meio contraditório, eu sei, mas é tão envolvente a relação que a gente tem com os pais de ligação que dá pra se assustar, sério mesmo. Ganhei duas irmãs de ligação lindas também e que foram uns amores comigo esses dias incríveis que passamos juntos. E pra adiantar um pouco a história, na sexta-feira, quando começou o EJC, aí que eu estranhei tudo MESMO. Por motivos éticos e pelo compromisso que assumi com o povo de lá, não posso dar detalhes do que aconteceu, mas posso garantir a todos vocês que a experiência foi incomparável. Ímpar. Mágica. Pensei que ia lá e haveria grupos de oração tentando me converter à religião evangélica, que eu ia ser obrigado a fazer o que eu não queria… Quebrei a cara. Não vou mentir, queridos, o meu encontro com Jesus lá não aconteceu do jeito como aconteceu com a galera que deu os testemunhos e tal, dizendo que ele tocou cada um deles. Até me senti meio esquisito por isso não ter acontecido, mas não culpado. Não mesmo, porque o encontro me fez enxergar várias coisas com outros olhos. A minha relação com meus pais, irmãos, por exemplo, prestei bastante atenção nisso e vi que não importa o que acontecer, eles sempre serão minha família. Sempre. Aprendi a perdoar também, coisa que pra mim era uma abstração, era algo que estava fora de cogitação. No EJC, também decidi que minha vida precisa mudar. Não vou precisar estar todo dia numa igreja pra isso, tampouco estar ligado com ela em tudo o que eu fizer. Decidi que repensarei meus atos, reverei meus conceitos. São pequenos atos, pequenas escolhas que fazemos, mas que tem um significado grande, muito grande não só na sua vida como na vida de muitas outras pessoas, principalmente as mais próximas a você. O encontro foi incrível, não tenho outras palavras. Renovou o meu eu e agora eu sei que estou pronto pra o que vier e que se Deus está com a gente, não temos o que temer. Yes, a gente can. hahaha

E a outra parte do meu sumiço, que por sinal todo mundo estava esperando loucamente pra que eu postasse, foi o início da universidade, do meu curso de licenciatura em Letras/Francês na Unifap! Gente do céu, que loucura que é entrar naquele lugar como aluno. Ontem, no primeiro dia, eu tremia. Juro pra vocês, minhas pernas tremiam de nervosismo, parecia que eu ia cair de joelhos a qualquer momento. Mãssss como eu arraso e sou legal ~e tinha conhecidas lá na sala~, tratei logo de ir me enturmando. Quando cheguei lá, fui falando com uma colega e outra, todas sempre muito simpáticas e tudo, já gosto por demais dessas lindas! Ah, e eu acho que já tinha dito pra vocês que na minha turma, erm, hm, estudam nada mais nada menos do que VINTE E SETE MENINAS. E só três meninos. Por isso, não estranhem quando eu disser “as colegas”, é porque minha relação com os meninos ou é zero ou é quase zero ou eu estou sufocado por tanta guria junta, rs. Ontem não tive aula de nada, só a professora de Introdução aos Estudos Linguísticos que deu uma palavrinha rápida ~~e uma apostilona~~ com a gente e tal, conhecemos o coordenador do curso, alguns professores, o povo do CAL (Centro Acadêmico de Letras) que é demais e o espaço físico da Unifap, claro. Putz, que lugar IMENSO Smiley surpreso Não achei meu bloco de primeira não, me perdi Smiley confuso Mas enfim, esquecendo esse incidente lamentável, rs, ainda ofereceram um lanchinho pra gente, achei chique! Uma pena que chegou a terça-feira mais conhecida como hoje e acabou com a minha graça :X Hoje já tivemos um pouquinho de aula, por assim dizer, de Introdução à Língua Francesa e a professora é um amor de pessoa, já quero aprender o alfabeto de novo junto com a galera que não sabe, rs. Além do bate-papo rápido que tivemos com ela, ainda arrasamos numa palestra com alguns dos nossos futuros professores, de Metodologia da Educação, de Teoria da Literatura e Língua Latina. PELO AMOR DE QUALQUER COISA, LATIM VAI ME ACABAR D: Tô sentindo isso, galera, eu geralmente não tenho medo de encarar línguas novas, mas olha, o professor de Latim é que nem um padre! Fala enrolado que nem um, usa sandália que nem de padre e tem uma voz com sotaque IGOAL de padre que acabou de vir da Itália. Bem, ele não é padre, rs, mas todas torce por mim porque já vi que o Latim vai ser BARRA. Aliás, esqueci de perguntar pra ele na hora da palestra, então me respondam vocês aí que sabem: existe dicionário de latim? Se existir, tô aceitando doações, viu? hahaha

E acho que é isso, galera. SÓ ISSO, pra vocês matarem as saudades de mim de uma vez por todas! Logo mais espero voltar com posts novos e fresquinhos pra vocês e um aviso prévio: meu notebook tá quase levando o dele. O que pode acarretar no meu sumiço daqui por algum tempinho, mas já estamos trabalhando na correção do problema para um melhor atendimento ao público, ok? Et c’est ça, a universidade ainda não começou a me atacar com trabalho de tudo que é lado então vou aproveitar pra não desaparecer da internet. Até mais, queridos!

 

Do seu escritor-aspirante,

Tiêgo R. Alencar

4 pseudocomentaram:

Kétemy disse...

Tiii, que lindo que gostaste do EJC #) Te vi postando algo a respeito no tt, aí ontem perguntei pra uma amiga minha que tava participando se ela havia te conhecido. E adivinha, vocês são do mesmo círculo! Haha. É a Ju Bastos, uma loirinha linda. Ela até ia falar contigo ontem, mas chegaste depois com as tuas irmãs, e no final ela nem te viu ;/
Tô adiando a tanto tempo minha participação nisso.. Mas é todo mundo falando tão bem que juro que do próximo não passa ;)
E quanto à Universidade.. Welcome to the Jungle! HAHA

Deyse disse...

Menino, tô rindo das suas histórias da universidade, hahaha. Sabe que na minha turma tem UM menino? Entre umas 30 mulheres, também, é sempre essa a estatística do curso de Letras. E quando você se acostumar com o ambiente e com o campus, você vai se sentir o maior bestão de ter se perdido nos primeiros dias, vai ver. E quando você falou de Latim, eu ri horrores, hahahahaha! Eu te disse para não desejar NUNCA ter essa cadeira, pô. Por mais inteligente que alguém seja, SEMPRE vai ter dificuldade em latim.
Ah, tem uns dicionários sim, você pode até acha baratinho nesses sites de sebo, tipo a Estante Virtual. Mas vou logo dizendo que não ajuda lá essa coisas...
E como eu sempre disse, qualquer confusão na sua cabeça, calourinho, a veterana tá aqui pra ajudar ;)

beijão!

Ewerton[Thon] disse...

E com o passar do tempo a gente vai mudando, amadurecendo, conhecendo coisas novas, deixando certos costumes. É inevitável.

Leila Ice Girl disse...

Ah que bom a sua experiência com a igreja, a vida é assim msmo, casa dia a gente aprende algo novo.
Quanto a universidade,pouquissimos meninos na turma, garotas dominam, você falou do professor de Latin, eu conheci o professor de Latim lá da UERN, fracamente não sei como as pessoas conseguiam aprender alguma coisa, por que ele fala bem baixinho, enfim, deve ser uma lingua dificil pra cachorro (trocadilhoinfame) xoxo seu lindo!