domingo, 8 de janeiro de 2012

gossipgirl.net

No filme Meninas Malvadas (Mean Girls), a personagem de Lindsay Lohan , novata na cidade, faz de tudo para se juntar ao grupo das populares do colégio
Juro, não estou falando isso por me gabar ou algo do tipo, mas eu já fui popular. No colégio, mais especificamente no final do ensino médio, a palavra popularidade acabou recaindo sobre mim de uma forma que eu não esperava. Preciso admitir que ela afetou muito no relacionamento que eu mantinha com algumas pessoas - viria eu saber mais tarde que estas pessoas eram umas falsas, mas isso é assunto para um outro post - e também afetou no meu pessoal, naquilo que eu já estava habituado a ser. Eu era o CDF, o inteligentão da turma que passava cola para todo mundo, o representante de turma. Até o terceirão acabar, nada daquilo representava algo que me levasse a ser popular. Até que minha melhor amiga me parou no corredor certa vez e deu a letra: "quero meu melhor amigo de volta, não esse popular que todo mundo conhece e que vive solicitado pela escola inteira." Senti o impacto da verdade na mesma hora e, daquele momento em diante, decidi que eu nunca mais sucumbiria a qualquer título que fosse. Qualquer um.
Por incrível que pareça, ainda existe gente movendo céus e terra em busca da tão sonhada popularidade. Dando exemplos bem corriqueiros, desde aquela chata que comenta no seu blog só deixando um "adorei seu blog, comenta no meu? www.idiota.com obrigada!" até aquela parasita que imita as fashionistas do colégio, a gente sempre se depara com esse pessoas capazes de tudo para atingir o patamar de popular. Por eu não ter feito nada para conquistar o título, não posso dizer nada a respeito, mas vamos analisar: o que você ganha sendo popular? Status? Fama? Reconhecimento? Ganha seguidores no seu blog, 39827939827 comentários para responder e outros 93727382937 seguidores no Twitter? Daí eu pergunto a você que busca tanto a popularidade: você já parou pra pensar que o status, a fama, o reconhecimento e os 38237273 seguidores no seu blog e no seu Twitter lhe transformarão em algo que você não quer se tornar, mas que pelo estereótipo de popular você os almeja sem pensar e pesar os prós e contras? Assim como você pode se gabar de ter mil amigos no facebook, pode olhar para o lado e constatar que seus amigos de verdade sumiram, tão rápido quanto você conquistou esse título. E mais: tanto reconhecimento não vai fazer você passar de ano no colégio, tampouco conquistar a confiança dos seus pais nem ajudar você em seus momentos de fraqueza. Posso lhe assegurar disso.
O mundo da Blair Waldorf de Gossip Girl é todo uma farsa, se é o que querem saber. A popularidade não é nada daquilo que todo mundo vê na televisão e nos filmes. Há falsidade, há mentiras, há omissão e muita, muita cara de pau entre tanta gente querendo conhecer a gente. Não é de todo ruim, admito novamente, pois eu usei a minha popularidade para conseguir melhorias não só para mim, como para toda a escola. Apenas há o lado ruim disso tudo: é como se, involuntariamente, criássemos uma máscara da qual não podemos nos livrar, pelo menos não enquanto estivermos sozinhos - quando voltamos a ser quem somos e olha que curioso: quando podemos contar apenas com nós mesmos.
Tenho certeza que eu ter passado o ensino médio sem a popularidade teria feito tudo ser mais simples. Eu não teria brigado com minha melhor amiga, nem abandonado sem prestar atenção os meus amigos de verdade nem ter aceito os convites que todos queriam ter recebido. O que eu não posso negar é que a popularidade me encontrou e quando eu tentei me esquivar, já era tarde demais. Falaram (muito) mal de mim, cuspiram mentiras a meu respeito e eu sofri quando percebi que aquele Tiêgo que todos falavam não era eu mesmo. Tive que 'apanhar' da vida para entender que a popularidade não me levaria a lugar nenhum, pelo menos não se eu continuasse a ser o popular.
Portanto, se você aí ainda pensa em abandonar o título de excluída da turma para correr atrás do título de mais famosa do colégio, pense duas vezes. Três. Quatro. Quantas forem necessárias. E depois de tudo o que foi dito, pense que essa vida não é para alguém que se aceita como é e que não tem vergonha de ter a personalidade que construiu. Se ainda assim preferir ir em frente, só digo uma coisa: não podemos voltar atrás. E garanto, arrependimento dói, dói muito. E não há popularidade que lhe faça amenizar esta dor.

***
Oi, gente! Todos bem?
Pois é, tô tentando manter a regularidade de postagens novamente! Achei esse tema nos arquivos do Tudo de Blog  e tive que postar, principalmente porque minha amiga Jeniffer Yara foi vítima de plágio há pouco tempo e a guria que a copiou descaradamente, por ser popular e tudo o mais, não teve coragem de admitir o erro - apenas excluiu o texto copiado do blog dela. Fiquei INDIGNADO e tenho certeza que a safada só fez isso porque é popular ~~na internet~~ e tem toda uma ~~reputação~~ a zelar. Sei bem como essas coisas funcionam, galera. E pra quem quiser ir lá no blog da pirenta, podem clicar bem aqui e falar umas verdades pra CRIANÇA que bloga por lá. A menina tem TREZE, TREZE anos. Vou até me calar porque vai que eu tenho leitores nessa faixa de idade, né. Enfim.
E tô arrumando o primeiro pseudopsicologia de 2012 pra vocês! Aguardem porque tá bapho!
E é isso! Minhas férias estão ótimas, tô vendo séries como se não houvesse amanhã e já me matriculei no meu segundo semestre da faculdade! Quando me baixar a disposíção estarei comentando aqui sobre minhas novas disciplinas :D

Do seu escritor-aspirante,

9 pseudocomentaram:

Jeniffer Yara disse...

Nunca fui popular na escola, talvez na minha sala, e eu tinha uma reputação de patricinha/mimada/metida quando menor(é,eu sei,difícil de acreditar,rs) que não era eu de verdade, que não me fazia bem e que com certeza na minha roda de 'amigas' havia falsidade e mentiras. Enfim, ser popular e continuar sendo você mesmo, é uma coisa difícil e rara de se acontecer, então tudo isso de popularidade, 'reputação', etc tem que ser bem pensada e bem vivida, no caso de quem é popular.

Valeu pelo apoio mais uma vez Ti, também me indignei com a garota que nem se explicar diretamente comigo, fez, simplesmente excluiu o texto e fingiu que nada aconteceu, uma atitude infantil e covarde, mas não fico surpresa com isso não.

Bem, vou indo, se não m prologo demais,rs.

Beijos

Edenilton Santos disse...

Esta aí uma coisa que sempre passou longe de mim: popularidade. Pelo contrário, sempre fui acanhado. Mas, infelizmente já tive pessoas que se afastaram de mim devido a isso, por que queriam ser populares, e outras vezes eu que me afastei porque as atitudes das pessoas me incomodavam. É estranho. Nunca me fez falta, nunca vai me fazer. Belo post.

P.S.: Vi o caso do plágio lá, uma vergonha!

Abçs!

Ana Seerig disse...

Não sei se era a desconhecida ou a popular da turma, sei que me acertava com diferentes grupos e mesmo pessoas de outras turmas. Talvez no meu último ano de magistério eu tenha sido popular ou algo parecido por ser líder de um projeto da escola e ter que passar em todas as dezenas de turmas.
De qualquer modo, minha experiência em me dividir entre três, quatro grupos na mesma sala não foi das melhores, até que consegui acertar as coisas mais ou menos assim: fazia trabalhos com um, conversava com outro durante as aulas - mesmo grupo com quem saía, ia pra escola com um grupo e voltava com o outro. Mas era desgastante não poder ir falar com um outro grupo do nada sem chatear algo ou algo do gênero.
Acho essa história de popularidade dispensável e a busca por tal prejudicial (como bem nos mostra a queridíssima Meg Cabot em "Como ser popular"), o que vale é a personalidade, é com ela que tu vai conquistar bons amigos e conseguir fazer e receber boas coisas.
Belo texto. =)

Felipe disse...

Não sei se fui uma pessoa popular. Sim, eu conversa com a turma inteira na escola. Tinha conhecidos pelo resto da escola, fiz parte do time de handebol.
Às vezes ficava a frente dos problemas da turma, já fui representante de turma. Mas nunca, nunca fui popular de sair com os outros populares da escola. Por mais que eu me desse bem com muitas pessoas,eu "sofria/sofro" de vergonha e isso me atrapalha.
Popularidade é ruim pra pessoa se ela mudar para com os outros, mudar de atitude. Agora se ela continua tratando todos de forma normal não vejo problemas dela ser reconhecida por aquilo que faz.

Vanessa disse...

Popularidade é uma coisa perigosa. É preciso saber lidar com ela. Eu prefiro ficar tranquila no anonimato hahahaha O que importa é constituir relações sólidas, sinceras.

Anônimo disse...

Adoro o seu blog e seu estilo! Acredito nas suas histórias e já inclusve mandei uma participação pro Pseudopsicologia! Só queria dizer que você poderia ser mais popular se quisesse, é só aparecer mais por aqui e divulgar mais seu blog! Adoro quando você posta no O Quanto Quiser também, já sou fã daquele blog por sua causa, porque nem o Felipe nem o Eloi vão chegar aos seus pés, te garanto! Ah, e posta Pseudopsicologia novo, todo mundo ama! Beijo, sou seu fã!

Alice Lara disse...

Tiiii, cadê seu livro???? Tô esperando você lançar pra comprar, tenho certeza que se você reunir seus textos numa coletânea, vai fazer o maior sucesso! Pergunte aos seus leitores! E a propósito, DUVIDO que você não seja popular na sua faculdade! kkkk beijos

L.H.C disse...

eu nunca fui popular, sem pretendo ser, ahaha, esse negócio de fama pra mim é barco furado, holofotes não são pra mim. Quase perdi um grande amigo por conta de popularidade, lá nos tempos do colégio, quando ele começou a andar com a turminha dos populares e tudo o mais, pra sorte dele eu sou uma pessoa que não guarda ressentimentos e ainda somos amigos.

Nath disse...

Sempre fui a nerd, e ainda sou, mesmo estudando numa escola técnica [onde todos são pelo menos inteligentes].O engraçado é que meus melhores amigos são populares,mas eu mesma não gosto.
Vejo os dois lados da moeda sem sentir isso na pele, e optei por ser assim:meio nerd,meio popular...