sábado, 28 de janeiro de 2012

Happy ending?


Não, não desacreditei da vida nem algo do tipo, mas de uns tempos pra cá tenho refletido bastante sobre finais felizes - se é que eles realmente existem. Desde que me entendo por gente, não consigo visualizar o que a maioria vê; passando o resto dos seus dias ao lado de alguém que você provavelmente mais tarde vá tratar só como mais uma pessoa normal e não como alguém pelo qual você já foi capaz de matar e morrer.
Dados não oficiais do COMT - Chutômetro Oficial da Mente do Tiêgo - mostram que quase 90% da população mundial pretende ter o seu final feliz ao lado de alguém. E formando família com esse 'alguém'. Já eu me enquadro nos outros 10% das pessoa que não se imaginam assim. Não penso em casar, não penso em dividar a cama com outra pessoa nem acho que eu tenha vocação pra ser pai (por mais que eu já tenha pensado mais de um milhão de vezs nos nomes dos meus filhos). Aposto como vocês devem estar me achando um chato, egocêntrico e revoltado; porém garanto a todos que isso tudo seria justificável se tivesse sido uma escolha. Mas não foi. Não escolhi ser contra o casamento e filhos para o resto da minha vida. Muito pelo contrário, inclusive. É mais involuntário do que vocês pensam.
Ok, agora vocês devem estar querendo me atirar cinco pedras e dizendo que eu só falei isso porque ainda sou um pirralho de 17 anos que ainda não conheceu o amor. Vamos pular a parte da idade (porque tem muito homem por aí se portando que nem uma criança e eu estou chorando rios só que não pra quem julga pela idade) e focar no amor. Ah, o amor... Já conheci o amor, duas vezes. E mesmo que só tenha sido feliz em uma delas, o sentimento que ocorreu nas duas vezes foi forte o suficiente para que eu sentisse a sinceridade transpirar a cada momento em que eu dizia "eu te amo". Entretanto, em momento algum eu pensei em casar, ter filhos e ser feliz para sempre (olha o happy ending aí de novo) dessa maneira porque meu senso de realidade me impede de ir além. (In) Felizmente.
Aos leitores que sonham com seus finais felizes à la romance hollywoodiano, mil perdões por esse ponto de vista realista e nada sonhador. Cada um deve ser feliz da forma que lhe for conveniente, não é esmo? Pode até ser que lá na frente eu pense diferente, mas como não sei se estarei vivo para contar essa história à vocês, seguiremos com nossa programação (a) normal.

***
Oi, gente! Todos bem?
Escrevi esse texto ontem depois que uma amiga, ex-casada e crente que o final feliz dela tinha chegado, me ligou dizendo que o casamento dela tinha acabado. Em menos de um ano. Vou poupá-los dos detalhes porque aí em cima tô dizendo tudo, mas digo que o fato me abalou. Tanto que escrevi sobre, rs.
Ah, tô PÉSSIMO. Gripe absurda e muita fraqueza. Dor de cabeça então, nem me falem. Só bloguei mesmo porque eu devia ter feito isso ontem e não consegui. Espero que curtam o texto e quero voltar o mais rápido possível!
E é isso! Deixa eu ir ali afogar minhas dores com uma bela descansada. Leiam esse texto com uma máscarAAAAAAAAATCHIM!

Do seu escritor-aspirante,

6 pseudocomentaram:

Vanessa disse...

Eu acho que esse negócio de "final feliz" é mais uma âncora no Titanic afundando que é essa sociedade carente e insegura na qual vivemos hahaha Acho que o real final feliz não é exatamente estar ao lado de outra pessoa. Final feliz é você consigo mesmo, satisfeito com o que tem, tendo alguém amado do lado ou não. A vida não é um livro ou uma novela que termina no casamento dos mocinhos, sem nos dar a chance de assistir o que vem de difícil depois que a noiva joga o buquê. Todo final vira um novo começo na vida real, até que a página final realmente chega: a morte.

marcela disse...

Sinceramente não sei nem como começar a comentar esse teu texto...olha Tiêgo (adorei teu nome!), as pessoas podem me chamar de moderninha e coisa e tal, mas eu NÃO acredito em casamento. Não acredito e ponto. Casamento não atestado de felicidade, eu sei é meio triste isso mas é a verdade. E encontrar um rapaz de 17 anos q pense assim tbm significa q adolescência(?)de hoje não está tão perdida como muitos pensam. Pode até ser que mudemos de idéia, mas é assim q eu penso hj e dificilmente (não impossivelmente) vou mudar.
Espero q sua amiga esteja bem. E espero q vc esteja bem da gripe.
Beijos!

Jeniffer Yara disse...

Não sei, mas eu não consigo não acreditar em finais felizes, talvez seja meu eu ultrarromântico, mas sou assim. Não é que eu acredite em felizes para sempre e blá blá blá, como nos filmes americanos, mas a ideia de casar, ter filhos e viver por um longo tempo não me é impossível, por mais que eu tenha mil e uma razões para acreditar no contrário. A instituição da família está tão banalizada nos tempos atuais que é difícil mesmo acreditar em finais felizes, em casamento, etc. Mas eu não deixo de querer me casar, ter filhos e constituir uma família :/

Mas eu te entendo, mesmo e achei seu texto bem sincero e realista de acordo com seu ponto de vista!

Beijos

Allan Penteado disse...

Acho que cada um crê naquela verdade que toma pra si, eu sou um sonhador do "happy ending" haha, mas se você não acredita em casamento e tal acho que você encontrará a felicidade dentro de si mesmo, você poderá ter um final feliz fazendo o que você gosta! Abraços, adorei o post!

Nati disse...

Sinceramente, vou te dizer que não quero casar e não quero ter filhos.

Acho que só porque você encontra alguém que você acha ser o amor da sua vida, não precisa casar, em time que tá ganhando não se mexe... Não há necessidade disso.

Tem pessoas que precisam disso, acham que só vão ser feliz se houver cerimônia na igreja, assinatura de papeis cartório e certidões de nascimento. Somos novos ainda e isso um dia talvez aconteça ou não.

Iremos encontrar pessoas que pensarão diferente de nós e pelo sentimento do momento acaberemos cedendo às vontades ou não, não sei de nada, não posso ficar dando uma de mãe diná, né?! haha

Enfim, teu texto é maravilhoso, porque mal ou bem, estamos nessa fase, tu por estar na faculdade e eu por ter 19 anos...

Não sabia nem como começar o comentário e quando comecei, ele se transformou nesse texto...
Beijo

Fernanda Freitas disse...

Adoro seus posts...são muito inteligentes.