terça-feira, 22 de maio de 2012

Me dá um abraço?



Poucas coisas são tão simples, prazerosas e aconchegantes quanto um abraço. Durante a vida, pessoas passam, de todas as formas, jeitos e estilos. O contato que mantemos com cada uma delas é fator decisivo na real significância delas em nossas existências e eu creio que não exista meio melhor do que abraçar para provar para uma pessoa o quão querida ela é para nós.

Particularmente, adoro abraços. Não consigo explicar de maneira decente a relação mágica que tenho com este ato. Abraçar vai além de pressionar o corpo contra o de outra pessoa. Não, muito pelo contrário! Um abraço é uma demonstração de carinho tão grande que parece absurda a ideia de que tantos sentimentos possam ser transmitidos por meio de um ato tão singelo quanto. Aquele choque gostoso por estar perto de quem você gosta é indescritível! É uma sensação maravilhosa quando sabemos aproveitar (aliás, qualquer coisa simples quando sabemos aproveitar acaba se tornando algo fantástico, não é mesmo?).

Lembro que sempre fui carinhoso com meus amigos e parentes. Mesmo só com os conhecidos, faço a maior questão de mostrar que me importo. Como? Com um abraço. Ou dois, três, quatro. O abraço fala por nós. Nas mais diversas situações, podem comprovar: a ausência de palavras exige um abraço. No fim de um relacionamento, ao invés dos clichês de sempre como "vai ficar tudo bem" e "é assim mesmo", abraçar funciona muito bem como um articulador de emoções. Mesma coisa na perda de alguém próximo ou fatos parecidos. O abraço faz com que a gente não se sinta só. E na união, fazendo minhas as palavras do ditado, somos mais fortes. Bem mais fortes.

Abraçar é tão bom! Vamos começar a enxergar neste ato a solução? Seja para aqueles dias de cão, seja para a falta de palavras, enfim. Podemos nos perder nos sentimentos provocados pelo abraço sincero. Inclusive já existem até pesquisas comprovando os benefícios do abraço. Ainda está perdendo tempo? Corre para abraçar alguém! Um abraço!

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Patinho feio? Nunca mais.


Modéstia à parte, minha família é linda. Meus pais são lindos, meus irmãos são lindos, meus primos são lindos. Todo mundo é lindo. E parecia que eu fugia à regra. Eu olhava no espelho e via só aquele borrão estranho e diferente dos demais. Eu me sentia bem deprê quando parava para pensar nesse tipo de coisa e vocês não imaginam o quão mal isso me fazia. Não pensava em outra coisa senão em como eu parecia menor perto deles inferior. Pode até soar autodestrutivo, mas era mais ou menos isso que se passava pela minha cabeça. Mente bem imatura, sabe como é.
Pois então, o patinho feio percebeu que tinha que existir um jeito de compensar toda aquela feiúra física e que me distanciava daqueles ideais de beleza dos quais meus irmãos se encaixavam. Tentei praticar exercícios, não rolou. Tentei aprender a falar que nem os descolados da galera, não colou. Tentei ser uma pessoa que eu não era e definitivamente isso só fazia eu me sentir ainda mais feio. Até que, um tempão depois, vi que a solução estava bem debaixo do meu nariz e só eu não queria enxergar.
A solução estava dentro de mim mesmo. E cabia apenas ao Tiêgo constatar aquilo.
Foi aí que eu passei a valorizar o que eu sou. Se eu sou alto demais, ótimo, dá pra alcançar aquelas prateleiras mais altas. Se eu sou diferente demais dos meus irmãos (até no nome), excelente! É exatamente o que eu quero: ser percebido pelas minhas particularidades. E se eu não sou bonito, sinto muito, mas eu me amo e me aceito do jeitinho que eu sou, com minhas orelhas grandes, com meus cabelos bagunçados e meu andar desengonçado.
Você é você. Não importa a sua cor, a sua raça, a sua nacionalidade, o formato do rosto ou a altura. Você é lindo, você é linda! E não é preciso alguém parar e lhe admirar para que você perceba isso. Ser bonito e se sentir bem consigo mesmo vai muito além de ir à uma academia, se matar de malhar e no final das contas, continuar com a autoestima lá em baixo. Acredito que não é a sua beleza física que vai dizer quem você é. Não mesmo.
E só para finalizar, hoje me disseram que eu sou lindo. Preciso dizer mais alguma coisa?

***

Mil desculpas pela ausência, galera. A universidade está a mil por hora e eu não tô tendo tempo nem pra me coçar! Mas agora os professores entraram em greve e terei uma folguinha por tempo indeterminado. Vamos torcer pra que eu continue frequente por aqui! Sinto tanta falta daquela assiduidade de antes! =/ Ah, e em tempo: cantei pela primeira vez na vida para o público de um auditório, tenho que fazer um artigo científico com tudo o que tem direito, recebi um convite para palestrar fora do meu estado sobre a escrita juvenil e ainda recebi proposta de publicação de um livro, acho que emagreci dois quilos e tive a difícil tarefa de terminar um relacionamento e, mesmo assim, meu coração anda me deixando pirado. Tá bom pra vocês? hahahaha Até a próxima, queridos!

terça-feira, 1 de maio de 2012

Conheça o blogueiro


Recebi o meme da Jenny, minha amiga linda e sensacional e fashion e maravilhosa do Meu Outro Lado. Vamos ao question-réponse? :D


1. Quando surgiu a ideia de criar seu blog?
R:  O meu blog surgiu após três outras tentativas frustradas de manter um. Sempre gostei de escrever e já escrevia (para mim mesmo, rs), só que não era o suficiente; só aquilo não me bastava. Foi quando resolvi me revelar ao mundo. Já tive dois blogs no Uol Blog no período de 2006-2007 e 2007-2009. E sem aguentar muito tempo longe da blogosfera, me mudei pro Blogger, com o Opinião Formada que não vingou. E como eu já tava de saco cheio de ficar mudando de domínio, resolvi ficar no Blogger mesmo. No dia 17 de julho de 2009, nasceu o A Pseudociência na minha última tentativa de manter um blog. E pelo visto deu certo! São quase três anos no ar! 

2. Origem do nome do blog:
R: A denominação "A Pseudociência" surgiu totalmente por acaso, enquanto eu fazia uma pesquisa para um trabalho de história! Eu já tinha abandonado o Opinião Formada e estava em busca de um novo nome para o seu substituto. Eis que eu passava os olhos por um livro quando de repente acho um box intitulado "As pseudociências e suas contribuições para a história". Nada do que estava contido ali me interessava (história = zzzzz), mas o termo "pseudociência" me interessou. E MUITO. Quando fui procurar o significado, tinha tudo a ver com o que eu procurava. O que eu pretendia passar era tudo aquilo baseado em minhas experiências, vivências ou em coisas produzidas pela minha imaginação e eu não teria nada com base em conhecimentos científicos. Ou seja, a minha pseudociência seria construída a cada texto, a cada post, a cada história nova. O nome combinou tão bem comigo que o mantive até hoje!


3. Você tem/teve outros blogs além desse?
R: Como já havia dito, tive outros três blogs antes desse. O primeiro foi o "Diário do Tiêgo", hospedado no Uol Blog e, não muito tempo depois, veio o "Ideia Sem Acento", que foi o que durou mais tempo depois do A Pseudociência. E por fim, tive o Opinião Formada, no qual fiquei pouco mais de dois meses antes do A Pseudociência nascer.


4. Já pensou em desistir alguma vez do seu blog?
R: Já, uma única vez, quando iniciei minhas aulas na universidade semestre passado. Fiquei muito sufocado com tanta coisa pra fazer de uma vez só que achei que não fosse dar conta de blogar. Estive a um passo de deletar o blog, mas eu fui resistente. E não tive coragem de fazê-lo. Ainda bem!


5. Mande uma mensagem para seus seguidores:
A todos que visitam meu blog, seguidores ou não, frequentes ou não, quero agradecer infinitamente. Vocês contribuem muito para que eu tenha cada vez mais vontade de escrever. Podem criticar, elogiar, o que for. Agradeço por cada palavra dita depois de ler um texto meu. Sou imensamente feliz por ter pessoas tão legais desfrutando da minha escrita! Vocês são o máximo! E desculpem-me se eu sumo daqui de vez em quando! hahaha



Sobre o blogueiro

1 - Uma música: Mika - We Are Golden (minha música favorita de longe sim ou claro?)
2 - Um livro: agora pegou... Complicado escolher só um, mas vamos lá: Histórias da Turma, de Márcia Kupstas, por ter sido o principal responsável pelo meu incentivo à escrita.
3 - Um filme: Cisne Negro. Sem mais.
4 - Um hobby: Escrever!

5 - Um medo: perder minha mãe.
6 - Uma mania: comer açaí com ovos sem medo de ser feliz <3
7 - Um sonho: conhecer Paris!
8 - Não consigo viver sem: internet. Porque eu sou realista, rs.
9 - Tem coleção de alguma coisa? CARTAS! <333 E livros também, mas colecionar mesmo de colecionar só cartas <3
10 - Gostaria de fazer alguma outra pergunta para os próximos participantes? O que você mais gosta de fazer em dias de frio?
11 - Um momento marcante na sua vida (pergunta da Jenny): ter me recuperado da paralisia facial.

Indique 10 blogs para fazer esse meme: indico a todos os lindos e lindas que me leem e que eu sei que vão responder com tanto carinho quanto eu respondi. Um beijo!