segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Marina.

Ela era tímida e tinha olhos que mais lembravam jabuticabas.
Gostava de se esconder sob os caracóis negros de seus cabelos, quando todos resolviam contemplar sua beleza.
Ela era como um anjo.
Sentia que um dia iria encontrar a felicidade em algo, indefinível naquele momento.
A menina dos olhos negros e da pele macia resistia aos meus olhares nos poucos momentos em que nos víamos.
De fala mansa e doce perfume, ela sabia conquistar uma pessoa. De todas as formas possíveis.
Num momento de loucura e amor, não sei se o coração fez com que eu reunísse toda a coragem existente em mim e proferisse as três palavrinhas mágicas: "eu amo você."
Em um ano e onze meses de namoro, nunca tive motivos pra reclamar dela.
E acredito que ela também não teve motivos para reclamar da minha companhia, nem sempre constante.
Se eu pudesse, voltaria aos vinte e três meses mais intensos da minha vida. 
Marina é um sonho, que eu tive a alegria de poder sentir bem junto a mim.
Marina era a mulher da minha vida.
E Marina é o desejo que flameja dentro de mim quando tenho o desprazer de pensar em tudo o que passamos juntos, pois sei que nada irá voltar.
Porque precisamos nos dar conta do que é bom tão tarde?
Porque tudo o que é bom sempre tem um final?
E porque há a nostalgia em determinados momentos em nossas vidas.
Sinto falta dos momentos juntos com a Marina porque era o tempo em que eu sentia que a vida fazia sentido.
Eram poucas frases ditas, mas que o silêncio fazia questão de completar por si só.
Desejos, anseios, dúvidas, angústias. Sentimentos que eu não podia esconder dela. Nem ela de mim.
É preciso ser realista e entender que tudo passou, e que uma nova fase chegou, com suas devidas complicações e neuras como qualquer outra fase.

Mas que nem de longe lembra/lembrará a felicidade que vivi com a menina dos cachinhos negros e dos olhinhos também negros, como jabuticabas.


***
Desculpem, pessoas, mas foi o que saiu pra hoje. Senti uma falta imensa do tempo em que namorava, ainda mais que encontrei a Marina quando voltava da escola com o novo namorado dela... Aí me bateu o remember e resolvi postar. Meio loser, tá, eu sei. Mas enfim, eu precisava desabafar em algum lugar que eu sentia e sinto falta dos meus momentos de felicidade ao lado dela. Uni o útil ao agradável.
Curtiram o layout novo? Achei meio nada a ver comigo, mas foi um dos melhores prontos que achei. Não sou nenhuma @janakeanuloka, me viro com o que tenho. hahahaha
Enfim, espero voltar logo! Tem Tudo de Blog essa semana e muito mais. Conto com vocês com o sucesso da minha empreitada!
Até mais,


4 pseudocomentaram:

Natália disse...

Só percebemos que é bom quando é tarde, porque sentimos falta de todos os momentos bons que vivemos junto da pessoa amada, infelizmente, é tarde demais, e agora o que restam são as lembranças...
Beijo

Jota disse...

É garoto, só damos valor quando perdemos. Temos que quebrar essa lei porq esse chiclê já passou da moda, HAHA!

Allan disse...

Existem pessoas que são assim mesmo, nos cativa muito, parece que todo mundo gosta dela... Pena que seu romance durou pouco, pelo que você falou ainda existe algum sentimento por ela, tente se recuperar, é o que resta... sobre o lay: você não sossega hein kkkk, esse está bom Tiêgo, mas confesso que o anterior estava melhor, porém, o mais importante são os textos que você escreve! Sorte!

Jeniffer Yara disse...

Own ficou bom sim o texto *.* Infelizmente,para nós seres humanos,é certo de que só valorizamos quando perdemos mesmo.

Beijos.