quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Offline

FOTO: daqui.

A internet é o mundo ao alcance de um clique. Educação, má educação, diversão, economia, entretenimento. Absolutamente tudo, da cultura mais útil até a inútil, está na internet. É impossível ter com exatidão o número exato e cada tipo de conteúdo que cai na rede. Os países e seus governos também utilizam a web como meio de interagir com os governados, e também de tornar mais prática a vida dos cidadãos. Uma coisa puxa a outra; é assim que funciona a internet, com essa interligação sem limites.

Com isso, nosso cotidiano já se acostumou com a facilidade e acessibilidade fácil que a internet nos propicia. Agora vamos imaginar o seguinte: alguém/algo muito poderoso tem um cadeado capaz de trancar qualquer coisa. E que este alguém/algo resolve “brincar” com você, trancando a internet, pelo tempo que ele quiser. Isso seria o suficiente para provocar um caos em sua vida internáutica, não seria? Redes sociais para atualizar, falta de comunicação instantânea com os amigos, sem diversão nas horas vagas. Você fica louco. Existem pessoas que vivem da internet (vivem no caso, se sustentam com a rede), que são viciadas (literalmente e não de brincadeira) em internet e que necessitam da internet como transporte de mensagens. Não é exagero dizer que se passarem um cadeado no tráfego de dados que dá “vida” à web, é bem capaz de o mundo estagnar, mesmo que por alguns momentos. Chegamos num estágio tão avançado de dependência cibernética que um dia sem a santa internet é quase uma eternidade. E sim, temos que admitir, infelizmente, que é verdade.

Sendo bem sincero, eu suportaria alguns dias sem internet. Vejam bem, SÓ alguns dias – até porque tenho obrigações (e lazeres, não vou mentir) a cumprir na rede.  Mas se ainda fosse apenas eu, até que seria bom. Mas são milhares e milhares de usuários que simplesmente não enxergam a possibilidade de viver sem a rede mundial de troca de informações – e cá pra nós, essa gente toda devia rever seus conceitos, pois uma coisa é depender de internet, outra completamente diferente é ser viciado nela. Tudo bem que eu também sou necessitado da internet para muitas coisas, mas a realidade sempre reinará absoluta neste planeta. Não adianta forçar a barra quando se está offline porque há um mundo real, tocável e que mesmo assustador nao deixa de mostrar coisas que a internet jamais mostrará com tanta verdade.

Com ou sem internet, aquele plano B sob a manga deve sempre estar arquitetado. Seja ele jogar Banco Imobiliário com a família ou curtir um passeio com na praça com os amigos. Afinal, dar o logoff de vez em quando não faz mal a ninguém.

 

 

Pauta para o Blorkutando – 124ª Semana : Desconectados.

Oi, crianças!

Fiquei tão revolts com essa história do Mubarak cortar a internet do Egito que olha, pensei o tempo todo na hora de escrever o texto. Mas vamos esquecer isso que esse desgraçado vai sair do poder e o mundo todo vai gritar feliz da vida S2S2S2
Estou curado do amor platônico pelo Thales Salmeirón. Tipos, meu coração ainda dispara loucamente por ele, mas não é mais aquela coisa. Conheci outra pessoa que me fez entender que não vale a pena ficar chorando na frente da TV por alguém que, teoricamente, não existe. Sou tão racional que não entendi até agora como fui tão retardado a ponto de chorar por um cara que é mais gostoso do que Richard Gere e Thiago Fragoso juntos. MAZENFIM, chega de falar de macho que esses cú não valem nada.
Ai, seus lindos comentadores, quero a opinião de vocês numa coisa: vocês me leriam se eu me lançasse num projeto? Quero saber de tudo!
Ah, e #tititi? Estão assistindo, né? A novela tá bapho forte, não podem perder! E tá quase pra acabar também :/ Então não tirem o bumbum do sofá na hora da novela, hein?
E acho que é só. Talvez eu volte amanhã pra falar mais besteira e pra ver vocês comentando MUITA utilidade.

Do seu escritor-aspirante,

Tiêgo R. Alencar

7 pseudocomentaram:

Vanessa disse...

Eu aguentaria alguns dias sem internet, mas eu surtaria se fosse obrigada a abrir mão dela para sempre hahahaha Mas é claro: há um incrível mundo não-virtual lá longe da tela do computador.

"vocês me leriam se eu me lançasse num projeto?"-> pode escrever até com tinta numa placa que eu leio tudo o que você fizer. Boa sorte e arrase.

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

Já sou meio que treinada a passar uns dias na internet, porque o meu computador é daqueles que nunca se sabe a hora em que vão quebrar. Enfim, tenho que arranjar coisa pra fazer e consigo sobreviver - quem diria, heim? rs

Mas é um lance complicado isso tudo. Por enquanto só vamos torcer pra que ninguém nunca consiga um cadeado como esse, certo?

Boa sorte com o BK!!

Joana disse...

Antigamente eu não aguentava nem meio dia sem internet. Era uma loucuraaa, mas agora fico numa boa, sabe? Claro que não dá para me desligar por 1 mês por causa do trabalho, mas se não fosse por isso, acho que até daria :)

Leila Ice Girl disse...

Eu não aguentaria alguns dias sem internet, eu aguento, é, o buraco negro onde eu ainda moro às vezes fico uma semana inteira sem internet, bom, depois do terceiro dia a síndorme de abstinência começa, mas eu sempre posso contar com meu kit escritora para ficar ok. Acho que a vida sem internet seria muito pior para empresas e tals, aí sim, as coisas parariam mesmo, por que elas estão investindo tanto em TI que se falta a tecnologia muitas não tem o Plano B.

Edy Santos disse...

Acho que conseguiria ficar um tempinho longe da internet, mas não muito. Afinal hj em dia usamos tanto o e-mail quanto o celular para contatos pessoais e profissionais.
Consigo controlar o tempo de uso diário, não sou mais de passar horas na frente do pc.
=D

mari ebert disse...

curti o post! haha eu acho que faz bem sair do pc de vez em quando, mas acho tb que ele é uma das coisas boas da nossa geração! Assim nós temos mais facilidade em obter informações e pesquisar, sem falar em divulgar nossas opiniões (tipo com os blogs)! haha eh isso, bjão!

Evelyne disse...

O que eu faria sem internet? Provavelmente me sujeitaria a roubar livros no alto do meu surto de "nada pra fazer o que eu faço agora senhor?"