quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Minha vida aos dezoito, parte dois.



Para quem perdeu a primeira edição, resolvi escrever uma história baseada em meus futuros dezoito anos, ideia cedida pelo projeto para blogs que não participo mais, Bee Writer. Caso você queira ler a primeira parte que não é tão grande quanto esta, clique aqui.
Caso não queira, leia daqui mesmo, você vai entender de um jeito ou de outro.



[Batidas na porta]


- Deve ser ela - pensei, dirigindo-me à porta. Quando girei a maçaneta, quase caio para trás.

- Ti! - exclamou aquela voz que prendia minha atenção no tempo do colegial.


- Isadora?!


- É, eu estava aqui no apê da minha tia, e lembrei que você tinha me dado seu endereço no orkut, lembra? Fiquei até com medo de bater na porta e não ser você - disse ela, rindo.


Isadora estava inacreditavelmente mais madura. Havia crescido mais alguns centímetros e seus cabelos estavam mais encaracolados do que nunca. Seu rosto parecia ainda mais belo e seus traços haviam sido marcados de vez pelas linhas do amadurecimento. Observei-a, incrédulo, pois a garotinha que eu tanto amava naquela época, tinha se trasformado numa mulher. Ela riu de meu silêncio repentino.


- Tudo bem, Ti?


- Ah, sim - eu disse, parecendo um completo idiota. - Só tava tentando lembrar da última vez que a gente se viu. Dois anos?


- Quase. Dois e meio.


- E você continua mais perfeita do que eu imaginava antes.


- Ah, para, Tiêgo, assim você me deixa encabulada. E juro que se não fosse você, eu ficaria com raiva.
Eu juro que fiquei pensativo, ela nunca tinha dado essas indiretas pro meu lado.


- Isso foi uma indireta? - perguntei, já com alguma expectativa.


- Encare-a como quiser - respondeu ela , sem mais delongas, e se aproximando ainda mais de mim, devagar.


- E desde quando você usa os pronomes corretamente?


- Desde que percebi que para consertar erros passados , é preciso consertar o presente.
Nossa. Pairou um silêncio modorrento entre nós, até a hora em que ela puxou de dentro da bolsa um pedaço de papel rasgado escrito algo em uma letra bem caprichosa.

- Olha, esse aqui é meu endereço. Se você quiser me visitar, vai lá, vou adorar te ver de novo! Aliás, não é tão longe daqui, aí qualquer dia desses você aparece lá pelo meu apê. Sim, tô morando só também!

- Nossa, Isa, que legal! Pode crer que eu vou dar uma passada lá - eu disse, dando uma conferida no papel. Percebi que ela não tirava os olhos de mim. - Você quer entrar?  - convidei, sem pensar.

- Ah, queria poder, mas não vai dar, tenho um monte de coisa pra fazer e tal... Mas você jura que vai continuar gostando de mim apesar de tudo que eu for fazer agora?

Eu não tinha entendido nem metade do que ela estava falando. Isadora nem esperou a resposta quando fui pego muito de surpresa por um beijo, pelo beijo que eu havia esperado por mais de um ano e meio, forte, quente e envolvente. Não quis fugir, claro, iria aproveitar ao máximo aquele momento, mesmo com o movimento de seis horas da tarde, gente subindo e descendo do elevador num domingo de calor intenso. Entreguei-me àquele beijo, como se aquilo fosse meu último ato na Terra. Mas uma frase dita pela voz que, na realidade eu estava esperando, cortou todo o clima de romance que poderia existir ali:

- Mas o que significa isso, Tiêgo ?! -  perguntou Bruna, prestes a cair no choro só por causa da tonalidade de sua voz. Parei o beijo de má vontade.

- Deixa eu te explicar tudo,  a I... - fui interrompido pela pergunta de Isadora que viria mais cedo ou mais tarde.

- Quem é ela?
Juro que a vozinha inocente dela quase me faz pular de volta em seus lábios, mas mais uma vez a razão falou mais alto.

- Calma, Isa, deixa eu explicar, essa é a...

- Namorada dele , se você não se importa, garota! - replicou Bruna, irritada.
Eu queria dar um basta na situação, mas ainda tinha a ingenuidade no sangue.

- Você tem namorada, Ti? Porque não disse antes? - perguntou Isadora, parecendo um anjo meio abatido após um queda.

- Não, não ! Gente, me deixem explicar! Por favor! Já chega dessa situação, chega! Querem que eu explique ou não? - exigi, enraivecido com essa história.
 O corpo de Isadora girou automaticamente para a porta, me pegando totalmete de surpresa.

- Eu acho que é uma ótima hora para conhecer suas novas instalações - disse ela, sorrindo, como se nada estivesse acontecendo. Não pude conter o riso. Bruna me fuzilou com os olhos.

- Vou entrar também, quero saber que palhaçada é essa - disse ela, já mais calma. Assim, pude enfim lembrar de toda a nossa noite na micareta e tudo o mais. Ela batia de frente com Isadora no quesito beleza, as duas eram lindas demais. Entrei no meu apartamento, já prevendo que lá estivesse pairando o maior climão.
Mas não estava.

Isadora estava sentada um pouco longe de Bruna, a dois pufes de distância. Previ qeu deveria me colocar no meio, já que havia espaço suficiente para mim ali. Comecei devagar, contendo as palavras:

- Bem, Isadora, esta é a Bruna, com quem... - interrompido de novo.

- Ficou a noite inteira, na micareta da Ivete - completou Bruna , sorrindo maliciosamente.

- Bruna, não complique mais as coisas - apressei-me a dizer, já que Isadora tinha os olhos marejados. - Isa, sim, não vou negar, ficamos na minha 'festa de comemoração' dos meus dezoito anos sim, já que queria dar um basta nessa história de não pegar ninguém e tal. Aí hoje ela viria aqui para que a gente pudesse conversar mais calmamente sobre a noite de ontem e aí... - interrompido pela décima vez.

- Aí eu chapei um beijo na boca dele - completou Isadora para meu desespero.

- Não precisava completar , Isa , não querendo dizer que foi mentira.

- Sim, eu vi! - protestou Bruna. - Seu cara-de-pau, safado! Porque fez isso comigo?

- Bruna, eu não pude evitar! Mas já que você falou, eu sou o safado, o cachorro, o galinha da história, que merece ser chutado pelas duas sem dó nem piedade por tê-las feito passar por todo esse constrangimento.

E como se parecesse brincadeira, as duas riram e, uma vez sérias, perguntaram em uníssono, como se tivesse sido ensaiado:

- Pois então escolhe, ou ela ou eu!

Eu havia me metido numa grande encrenca.








[Quer saber o fim da história? Fica ligado aqui pois quando menos esperar você saberá com quem eu ficarei!]
[Ps: Desculpem pela ausência horrorosa. Semana pesada de amostra cultura na escola, muito trabalho e nada de tempo pra sobrar! Entendam! Desculpem mesmo.]

2 pseudocomentaram:

jadeamorim.com disse...

Ahh, li o primeiro capitulo também! tá muito legal, suuuuper divertido! *--*
Esperando anciosa pela continuação, desculpe o sumiço! rs


Beeijos!

Erica Ferro disse...

Ah, Tiêgo! Tá muito boa a estória, sério.
Engraçada e envolvente. Parabéns!

Ah, eu que peço desculpas pelo comentário pequeno e pouco carismático que tenho que fazer agora.
É que realmente eu estou correndo para recuperar o tempo perdido, sabe?
Leia a minha recente atualização que entenderás, viu?

De qualquer modo, saiba que eu gosto muito de ti e estou adorando sua evolução como blogueiro.
Grande abraço.